sexta-feira, dezembro 30, 2011

Heterodoxia e Réveillons



O ano que agora finda termina com uma série de complexas e difíceis situações do persistente estado de crise que, tanto à escala mundial como a nível local – passando pela situação na Europa e em Portugal no seu todo (aí incluídos, evidentemente, os Açores e a Madeira) –, marcou 2011 com um paradigmático conjunto de problemas, impasses e dificuldades societárias, civilizacionais, culturais e espirituais que a ninguém – nos respectivos e diferenciados locais e tempos de existência, e nas mesmas desiguais classes e formações – deixou indiferente, porquanto a todos profundamente atingiu de um ou de outro modo e que mais ainda veremos reflectir-se e propagar-se, conforme os mesmos bastas vezes conflituais e opostos interesses, e como outros tantos desafios para as exigentes décadas que temos já pela frente, enquanto comunidades nacionais e regionais, e como cidadãos do mundo.


Não valendo a pena retomar hoje tudo aquilo que de mais significativo caracterizou os últimos doze meses, retenho porém, a título de sinal destes tempos e do quadro referencial e crítico aonde nos situamos, apenas dois motivos e projectos de leitura, cujas lógicas de conteúdo real e simbólico me parecem bem sugestivas e merecedoras de meditação:

O primeiro é a leitura integral do texto da Carta de Intenções do Governo da Madeira solicitando “assistência financeira por parte da República Portuguesa” e reconhecendo que “a violação dos limites ao [seu] endividamento (…), tal como estabelecido na Lei de Finanças das Regiões Autónomas, e a consequente deterioração da [mesma] situação financeira (…) impossibilita o pagamento de compromissos no curto e médio prazos”.

– Este fabuloso documento, que deve ser analisado por todas as instituições autonómicas e nacionais portuguesas e seus agentes e actores, está disponível no site oficial do GRM, cuja home page ostenta, em luminoso e festivo cabeçalho, uma bela panorâmica da baía do Funchal em noite (já antiga) de réveillon e fogos de artifício…

O segundo é uma renovada leitura, ou o retorno à contumaz e serena reflexão, sempre apaixonante e proveitosa, da(s) obra(s) de Eduardo Lourenço (Prémio Pessoa 2011), agora em feliz impulso de edição completa, tanto mais quanto nele e nela confluem heterodoxia e liberdade de pensamento e de acção (de e sobre Portugal e nós próprios!), desde os primórdios da Pátria até à contemporaneidade tumular em que jazemos...

– Num e noutro desses discursos, em balanço simultaneamente realista, melancólico e esperançoso, talvez residam algumas das mais essenciais perguntas e pistas para as respostas sólidas que o futuro exige de nós!
______________________
Publicado em "Diário Insular" (Angra do Heroísmo, 31.12.2011), "Diário dos Açores" (Ponta Delgada, 1.1.2012) e   http://www.azoresdigital.com/ler.php?id=2182&tipo=col

sexta-feira, dezembro 23, 2011

Redenção, Pobreza e Indigência



As recentes declarações do novato primeiro-ministro do Governo de Lisboa, com arzinho de yuppie neoliberal, a propósito de partidas para a Estranja – qual desajeitado gajeiro aliviando carga em barco a meter água na casa das máquinas e nos circuitos da sensatez discursiva, ou qual abussolado piloto sem prudencial apuro nos rodopios do leme – ao sugerir e recomendar que, neste dramático contexto de crise, como lhe ditaram brisas conceptuais de fraco estadista, levas de Emigração portuguesa fossem exportadas para destino europeu e sul-americano, ou para vazadoiros de mercado de trabalho nas nossas auríferas antigas colónias africanas, – e que assim jovens Professores e quadros técnicos supostamente excedentários no nosso pobre Ensino (na Educação, na Cultura, na Investigação e na Ciência, áreas desde sempre interligadas) para ali fossem de trouxa e PC portátil às costas –, causou, como se viu, na sociedade portuguesa, na opinião pública, nos OCS, nas redes sociais e de uma ponta a outra do espectro político e partidário, embora com esteios e objetivos distintos, a mais profunda estupefação e a mais legítima indignação!

– Ora depois dos cabotinismos “académicos” e irresponsáveis idiotias da pseudo-filosofia económica de um atrevido e ignorante caloiro universitário na Gália – persistente e reincidente nódoa na inteligência e na honra de Portugal, na ainda impune hipoteca imposta ao nosso Povo e no que resta da histórica honorabilidade do PS! –, só nos faltava esta pérola de governança!

Mas, como se tal não bastasse, outra luminária do PSD (esse partido tão nobremente fundado por Francisco Sá Carneiro, porém que presentemente já nem o seu antigo dirigente e dileto atual Presidente da República poupa!), arribada lá dos fofos e rotundos cadeirões europeus, logo veio ofertar grácil conserto e concerto terceiro-mundista para tão desalmada inspiração, propondo a queirosiana criação de um órgão (quem sabe, um “ministério”!?), para batucar a dita sangria e as boutades do seu primeiro…

– Realmente, nesta quadra de Natal, enquanto a Pobreza cresce e brada aos Céus, há mesmo maiores e descaradas indigências, sem Redenção possível, neste degradante regime e sistema de exploração e alienação do Homem!
_______
Em: http://www.azoresdigital.com/ler.php?id=2177&tipo=col, “Diário Insular” (Angra do Heroísmo, 24.12.2011) e “Diário dos Açores” (Ponta Delgada, 27.12.2011).

sábado, dezembro 17, 2011

Do Fascínio dos Arquivos Secretos do Vaticano


para o Conhecimento da História dos Açores


Recentemente publicada pela Esfera do Caos Editores (Lisboa, Junho de 2011) e ainda felizmente disponível em Angra do Heroísmo na Livraria In Folio, onde pudemos apreciá-la, a obra Arquivo Secreto do Vaticano, Expansão Portuguesa – Documentação, como o seu título propriamente indica, reúne documentação, inventariada, descrita e sumariada, do Fundo da Nunciatura de Lisboa patente no Arquivo Secreto do Vaticano e relativa ao período da Expansão Portuguesa – que promoveu, como se escreve na Introdução ao primeiro dos três volumes que integram esta bela edição encadernada e guardada em caixa-arquivo – “aquela que podemos chamar a primeira globalização do Cristianismo na sua forma confessional católica desde a modernidade”.

Prefaciada por Roberto Carneiro (Presidente do Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa Universidade Católica Portuguesa) – que no seu texto explica em pormenor os diferentes faseamentos e as sucessivas fases de trabalho, financiamento e coordenação da obra finalmente agora organizada e editada sob a Coordenação Geral de José Eduardo Franco – este excepcional Repertório documental constitui já e mais constituirá doravante um indispensável instrumento-guia de trabalho para quem queira estudar o Catolicismo em Portugal e no Mundo, enquanto e como “experiência de implantação e afirmação da Fé Cristã confessionalizada numa estrutura modeladora com uma história que não é desligável da história dos países, das culturas e das derivas internacionais da religião e da política.

“Ler estas fontes documentais – salienta precisamente José Eduardo Franco – é encetar, de facto, uma aventura de compreensão que deve ser, em primeiro lugar, a missão da construção da história como revisitação do passado, guiada por uma insistente interrogação”.

O Plano dos 3 Volumes está organizado por relação aos referenciais espaços geográficos da Costa Ocidental de África e Ilhas Atlânticas (Tomo I, com coordenação científica de Arnaldo do Espírito Santo e Manuel Saturino Gomes), do Oriente (Tomo II, com coordenação científica de João Francisco Marques e José Carlos Lopes de Miranda), e do Brasil (III Tomo, com coordenação científica Luís Machado de Abreu e José Carlos Lopes de Miranda), sendo que a primeira fase de elaboração do respectivo propósito iniciou-se, sob a coordenação do Professor Doutor Artur Teodoro de Matos, em 1998, com um projecto então financiado pela Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses (CNCDP) sob o título Inventariação da Documentação relativa a Portugal existente nos Arquivos do Vaticano, ao qual se seguiram uma segunda (2005) e terceira (2008) fases, mas sendo porém que, ao final, “o seu Investigador Responsável, o Doutor José Eduardo Franco, entendeu por bem reunir os intervenientes das equipas de ambas as fases do projecto que se disponibilizaram para o efeito. Devido à sua dimensão ainda era necessário muito trabalho adicional para tornar o resultado capaz de publicação com coerência e rigor de critérios, pelo que os membros das referidas equipas das duas fases aceitaram apoiar e, alguns deles, colaborar em conjunto na preparação da versão final na forma que aqui se publica, da qual todos eles são, na verdade, autores e colaboradores”.

“Este empenho conjunto – ainda segundo Roberto Carneiro – pretendeu [assim] fazer justiça ao trabalho efectivamente desenvolvido por todos os intervenientes nas diferentes etapas e garantir que o produto científico do considerável investimento em recursos humanos e materiais, feito por prestigiadas instituições de financiamento do Estado Português e da União Europeia, se tornasse acessível a um público interessado e o mais alargado possível”.

Entretanto, em Outubro passado, já apresentada em Lisboa, na ocasião, D. Manuel Clemente, Bispo do Porto – ele próprio historiador de mérito – logo teve também oportunidade de mais salientar a importância, os recursos e as potencialidades que uma obra desta natureza contém, com a particularidade – para nós indicativa… –, de, na altura, se ter precisamente debruçado com alguma atenção, sobre a problemática conflitual, para si dilecta e da qual é um reputado especialista, como é sabido, do liberalismo, do primeiro republicanismo, do movimento católico português e das suas paradigmáticas configurações, ecos e ilustrações nas ilhas, para tanto respigando, por exemplo e de entre outros do 1º volume, um documento de “sete anos antes da revolução liberal”, onde um prelado já dava notas doutro tempo que [então] chegava, ao referir “apreciar a religiosidade das pessoas do campo em oposição à cidade, onde diz que residem os libertinos e os maçons”, e bem assim muitas outras e preciosas informações e pistas que sobre os Açores, a Igreja, a Monarquia, etc. ali variada e abundantemente constam.

Isto mesmo é ainda salientado por Arnaldo Espírito Santo, ao escrever, por exemplo, o seguinte:

– “Tomemos como caso notável a história regional e local das comunidades açorianas. Das centenas de pedidos de dispensa de impedimentos canónicos do matrimónio entre familiares, consanguíneos e afins, ressalta a verificação de que era restrito, no século XVII, o número de famílias do arquipélago, em grande parte descendentes daquelas que iniciaram o povoamento das ilhas. A prática religiosa é intensa. A enquadrar as comunidades urbanas e com uma grande inserção entre elas, exercem o seu fascínio os conventos e os institutos de várias famílias religiosas. Muitos e muitas acorrem a engrossar as suas fileiras. Seja por inadaptação ou por insatisfação, chovem os pedidos de mudança de lugar, uns alegando desejo de maior austeridade, outros denunciando dificuldades pontuais de convivência e conflitos pessoais. Uma abadessa solicita a exoneração do cargo; uma freira, já idosa, pretende licença para ter uma criada. A autoridade eclesiástica competente vai despachando conforme os casos, ora acedendo aos pedidos, ora recusando para não criar precedentes.

“Há matéria abundante que roça o romanesco. Uma freira foge do convento para Inglaterra com um marinheiro inglês. Outra salta o muro, dizem que com conivência do confessor. Um escândalo que fez correr rios de tinta e de documentos”…, e assim por diante, para encantadoras incursões e revisitações socio-históricas, institucionais, privadas, culturais e mesmo existenciais, pelos caminhos do passado da nossa vida nos Açores, no entrecruzamento de gentes, mentalidades e destinos do Mundo:

– Uma obra fascinante e plena de atractivos inter e pluridisciplinares, indispensável portanto nas nossas estantes, bibliotecas a arquivos regionais, para estudo, investigação e reprodutivo conhecimento daquilo que fomos, e do muito que, de algum modo, ainda nos molda e condiciona contemporaneamente…
_________

Publicado em " A União", Angra do Heroísmo (17.12.2011):
http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=26362

e "Diário dos Açores" (Ponta Delgada, 18.12.2011):


sábado, dezembro 10, 2011

Danças e corridas de Angra



Qualquer cidadão açoriano e terceirense, minimamente atento a afectado pelos rumos e pisos que marcam a história e o quotidiano de Angra do Heroísmo, logo se apercebe que há todo um conjunto de passos e impasses, (in)definições, (in)competências e (in)compatibilidades que – há já demasiado tempo! – vem atingindo esta nobre cidade, a sua gente e o seu futuro comum.

Para já nem falarmos hoje na controversa modelação incauta, inculta e esbanjadora de créditos e débitos que tem marcado, ao longo dos anos, as heranças e os brasões reais – à mistura com brasonarias, atoardas e peregrinas ficções pouco amadurecidas que sobre o seu estatuto de Património Mundial confusa ou larvarmente tem pesado –, aquilo que vem acontecendo agora na principal autarquia da ilha Terceira é bem revelador de uma quase incrível, vergonhosa e inadmissível situação político-institucional!

Na verdade, entregues à tragicomédia político-partidária e fulanizada, e à patética exibição burlesca, auto-convencida, autista e presumida de toda uma espécie de companhia de circo – ou, talvez melhor, de uma ensandecida trupe de marionetas em desarticulação táctica e estratégica, e (ainda por cima…) sem ventriloquia escorreita e na ausência, outrossim desejável, de personalidades bem formadas, mentes e vozes próprias, e com quase tudo isso num ridículo símile de para-enredo carnavalesco a que todos vimos adiantadamente assistindo no tempo –, o que se pede e merece mesmo é uma firme e profunda vassourada para limpeza geral dos Paços, das ruas e dos ares empestados deste infeliz concelho!

– Culpas de todo este humilhante cenário (que não tardará, como veremos a curto prazo, a propagar-se a outros sítios, paragens, balanços e deserções, mandatos e tesourarias já corroídas e à beira de idas a vidinhas mais lucrativas, safas ou safadas…) não valerá a pena, para já, perspectivar, porquanto, de parte a partes, vários as terão (embora em doses e alcances diferentes)!

Todavia, ao PS (se é que tal entidade genuína e autenticamente existe ainda, com vida, corpo, espírito, pensamento político coerente e ideais práticos próprios, para um outro qualquer projecto de Sociedade Democrática, livre, participativa e organizada com Justiça…) caberá, talvez mais do que a todos os outros juntos, divididos ou divisíveis, uma maior e última responsabilidade na gestão desta crise e na procura, ou viabilização humilde (e mesmo cabisbaixa!), de uma saída para ela, com dignidade e sentido sociopolítico e institucional, – se é que, porventura, ao Partido Socialista (ou ao que ficou dele) lhe resta alguma migalha dessas coisas e valores que talvez já pertençam definitivamente à história das utopias portuguesas e aos remanescentes daquele realismo político que nos últimos dias tornou a ser realçado e recordado por, ou de Mário Soares, Sá Carneiro, António Barreto, Freitas do Amaral, Gonçalo Ribeiro Telles, Guilherme d’Oliveira Martins e Eduardo Lourenço!

Porém, regressando mais aos Açores, à Terceira e a Angra:

– Soluções como as que já por aí minusculamente se perfilham e apregoam à boca pequena entre os “camaradas” e a camarilha do costume – tais as da possível (re)candidatura de Sérgio Ávila ou de Ricardo Barros, de Cláudia Cardoso ou de Francisco Coelho, ou até (imagine-se!) a de Álamo Meneses (também recandidato este, que afinal o seria, não pelo CDS/PP, como já foi, em 93, na altura para a Assembleia Municipal de Angra, mas agora para a dita Câmara…), não auguram nada de bom e parecem, todas, apontar para uma galopante fuga e desagregação dos socialistas e para um adiamento da cada vez mais urgente renovação partidária, com a necessária e conveniente chamada de pessoas e ideias fiáveis, inovadoras e viáveis, serenas e transparentes (se é que alguém, sem cepticismo justificado, ainda irá nessa cantiga para embalar meninos de fralda!).

– Todavia, só daquele outro modo regenerador, poder-se-á estar à altura da hora presente e dos desafios regionais e nacionais imediatos e próximos, servindo a nossa terra e a nossa gente, e desenvolvendo os Açores!

No caso concreto de Angra trata-se, enfim, de procurar restituir-lhe um pouco (ao menos isso!) do seu carácter cívico-institucional, do seu peso específico no contexto regional e da sua histórica dignidade cultural, libertando-a de impasses toscos, de grilhetas imaturas e de carreiristas sem escrúpulos, unicamente afeitos ao passe-de-capote, ao jogo do disfarce e à mascarada alegrete e mais ou menos alienada da festança política que por aí vai correndo e gastando nos arraiais da nossa política caseira e provinciana, sem rei, nem roque, nem pastores à altura do peso e do comprimento da corda que nos vai atirando ao chão vezes e vezes seguidas…
___________________
Publicado em "A União" (Angra do Heroísmo, 10.12.2011):

Roteiros, Cidades e Memória



Da autoria de Marina Tavares Dias, acaba a Objectiva de publicar (em edição bilingue, Português/Inglês) Lisboa nos passos de Fernando Pessoa, sugestiva recolha de textos e imagens (muitas inéditas) da capital portuguesa, da Baixa pombalina e de vários dos seus bairros residenciais, habitantes e sítios pitorescos, assim mostrando, revelando e dando a ver e a pensar, como numa espécie de memorial urbano em escrita visualizante e visualizada, muitos dos cenários que o poeta habitou e justamente “como ele os conheceu” (soi-même e com os seus heterónimos).

– Escritora, fotógrafa e olisipógrafa, nascida em 1962 e desde cedo escrevendo em jornais (“Diário Popular”, “Expresso” e “Diário de Lisboa”), Marina Dias publicou o seu primeiro livro em 1987 (Lisboa Desaparecida), que lhe valeu o Prémio Júlio de Castilho, dando logo início a uma série de oito pioneiros volumes sobre Lisboa, a par de outras edições com temática fotográfica, iconográfica e literária olisiponense, que – todos juntos – nos fornecem um modelar roteiro pela memória e pelo imaginário de Lisboa, com os seus espaços, cafés e tertúlias, hábitos e vivências do quotidiano, tipos humanos e cruzamento de culturas e linguagens.

Além desses livros, a mesma autora, especialista no Primeiro Modernismo e na chamada Geração d’Orpheu (Pessoa, Mário de Sá-Carneiro, Almada Negreiros, Amadeo de Souza-Cardoso, Santa Rita Pintor…), editou outros sobre Sá-Carneiro (1890-1916) e Pessoa (1888-1935), tendo sido ainda responsável em Paris, na sede da UNESCO, pela Exposição Comemorativa do Nascimento do autor de A Confissão de Lúcio, Memórias de Paris e Indícios de Oiro.

– Trata-se de um pequeno mas belo Álbum de geografia urbana e poético-simbólica, feito com grande rigor científico, biográfico e cultural.

E assim sendo, nada que se compare com um tipo turístico de panfletos-mapa (pomposamente ditos “roteiros”…) que a PGR/DRC para aí tem dado à (d)obra, coitados!
____________________
Publicado em "Diário Insular" (Angra do Heroísmo, 10.12.2011).

sábado, dezembro 03, 2011

Obsessões, depressão e escândalos



Na passada quarta-feira, dia em que foi votado o Orçamento do Estado 2012, de obsessões governamentais, contradições penalizantes, tributações totalitárias e desumanas, e de imaturidades e prepotências parlamentares de novos actores e jovens turcos da política portuguesa – cedo de mais e alguns apenas como meros verbos e números de encher agora e ali alcandorados à função de co-decisores e co-orientadores de complexos e difíceis rumos pátrios que somente avistam e aviam de longe… – foram as referências e pesarosas acusações de um antigo ministro e distinto dirigente do CDS-PP (Bagão Félix), ao comentar parte das medidas propostas e aprovadas, pelo seu partido e pelo PSD, na Assembleia da República, conforme constava desse tão importante documento-guia da governança, para ser implemento (até mais ver…) na condução técnico-política do País!

– Todavia e também no mesmo dia e lugar radiofónico (RDP-1), prática e analogamente em idênticas linhas de juízo eram divulgadas as opiniões de outro alto dirigente dos centristas (o empresário nortenho Pires de Lima) e as de um conhecido economista e ex-deputado do PCP (Octávio Teixeira), explicando, uns e outros, as razões técnicas e as suas respectivas reservas e reticências sociopolíticas, especialmente sobre determinados conjuntos de medidas-pacote afixadas naquele OE.

Ora de entre essas directrizes governativas constava a tão contestada subida do IVA para o sector da restauração – homónima e linguisticamente pouco saborosa denominação esta, mas já correntemente adoptada para denominar as áreas de comércio e serviço dos restaurantes, casas de pasto e similares estabelecimentos, que não àquela outra, ao presente bem distante e apenas quase histórica e sebasticamente dita Restauração, com maiúscula, da Independência Nacional e da Autonomia dos Arquipélagos Insulares, projectos estes bem dignos de evocação e tanto mais assim quanto as suas implicadas determinações objectuais cada vez mais comprometidas estão no dramático contexto do País e da União Europeia com as suas bicéfalas (franco-alemãs) hegemonias sobre os Estados que a integram (conquanto cada vez mais dela e da sua moeda única desintegrados…).

Tudo isto tem, aliás, vindo a ser reconhecido à evidência mas submissamente suportado por quase todos os restantes países e nações do velho Continente e também, embora de modo vacilante e oscilante, pelos Estados Unidos da América – estes, por seu lado e para mais engolfados em persistentes problemas, contestações, dramas internos e perigosos jogos e precárias tentativas de gestão e equilíbrio de jogos de guerra e de paz, das ameaças do terrorismo e das manobras da segurança geoestratégica actualmente talvez à beira de novas explosões nos voláteis cenários do Oriente (Síria, Israel, Palestina e Irão).

Por outro lado, a par desta situação tensa, ainda se apresentam muito pouco clarificadas as últimas refrontalizações intestinas no Egipto, na Líbia ou no Iémen (sem crescentes de lua ainda definidos na chamada primavera e nas outras estações do ano árabe e/ou muçulmano, tal como em outras instáveis geografias político-religiosas do planeta), aonde não se percebe ainda muito bem se o que virá a seguir são Democracias (quais e com que modelos?) ou novas e praticamente incontornáveis e imprevisíveis Revoluções.

– Mas, voltando à nossa realidade mais próxima, o que parece cada vez mais ser certo e inquietante é que as condições de vida dos portugueses vão piorar de modo imparável, enquanto vão crescendo os sinais de protesto, revolta, indignação, violência escapista ou simultaneamente criminal, sem que o Povo de Portugal consiga convictamente assumir como coisa sua um outro projecto justo, equitativo e partilhado de solidária reconstrução do País, só então aí relançando-se a economia, garantindo-se a valorização do trabalho e do mérito, assegurando-se o desenvolvimento integral e integrado, harmonioso e complementar de todas as classes e formações sociais, parcelas do território e sectores produtivos!

É claro que as declarações de Bagão Félix, Pires de Lima e Octávio Teixeira visavam o OE 2012 do Governo central e a situação global do país, tal como as também recentes declarações e análises de Cavaco Silva, Mário Soares, Jorge Miranda, Boaventura de Sousa Santos, Manuela Ferreira Leite, Marcelo Rebelo de Sousa ou Freitas do Amaral (entre as de outros, que valeria ainda a pena escutar criticamente) o fizeram, mas tendo como horizonte mais vasto o estado da Europa e do Mundo.

Porém, com certeza, nem umas nem outras a ninguém deixaram desapercebidos os concretos e bem directos sinais referenciais de um quotidiano que a todos causa tanta desilusão, desconforto e mesma náusea, como se depreende, por exemplo, do texto de uma das últimas crónicas de Daniel Oliveira, no “Expresso”:

– “Quando vi Pedro Mota Soares chegar de Vespa a um Conselho de Ministros achei graça. Não pelo exemplo de desapego, que me pareceria fazer pouco sentido. Mas pela falta de pompa, que me agrada. Não acho que os ministros tenham de andar de transportes públicos para serem bons ministros. Tenho pouca paciência para esse moralismo. Mas acho que daria jeito que os ministros soubessem o que são os transportes públicos e espanta-me que seja tão difícil encontrar responsáveis políticos em lugares públicos. Assim como me espanta que o estatuto das pessoas seja avaliado, neste país (e não apenas no Estado), pela cilindrada do carro que têm.

“Acontece que, afinal, a Vespa de Pedro Mota Soares era, como quase tudo neste Governo, fogo de vista. Ficámos a saber que, no seu trabalho, usa um carro de 86 mil euros. Alugado por quatro anos. Não esperaria que o ministro da Solidariedade se deslocasse pelo país, com uma agenda que seguramente é carregada, numa scooter. Não me incomodaria que ele se fizesse transportar num carro confortável onde pudesse ir trabalhando enquanto viaja. Mas é indispensável que o faça num carro tão caro? Quando o seu sensível ministério levou um corte brutal, quando se tiram prestações sociais a tanta gente que passa dificuldades inimagináveis, não seria de bom tom manter alguma parcimónia nos seus próprios gastos?”…

– Mas por falar em carros do Estado, dizendo os dísticos ou chapas, que entre nós lá se encontram colados, que os mesmos são apenas para “uso oficial”, o que é que continuam fazendo desse conceito e usufruto muitos dos responsáveis regionais nas suas certamente muito preenchidas e concorridas agendas, corridinhas executivas e tarefas públicas? E o que justificará tanta viatura, com combustível e à espera na porta, com ou sem motorista, a toda e qualquer hora do dia e da noite, a todo e para qualquer percurso diário, até mesmo para a mera, pronta e curta ida para o local de trabalho, ou nas gigantescas vias rápidas, avenidas, ruas, ruelas e canadas ilhoas, para tanto autarca e dirigente e sub-dirigente da administração e serviços públicos da RAA, Autarquias, Serviços, Centros, EPEs, EMs, etc?

 
Sem cair em contendas mesquinhas ou em descabidos zelos de poupança, todavia, quem vê o que a nossa gente diz e sente, e cada vez mais vocifera ou depressivamente padece por aí, não pode deixar de admitir que há mesmo coisas obsessivas e escandalosas, – desde a perigosa e desapiedada tirania financeira dos agiotas bolsistas e dos usurários capitalistas europeus, até aos impiedosos ditames do Orçamento do Estado 2012 (conquanto aqui alguns deles possam decorrer efectivamente da famigerada herança da desgovernação socratista e dos seus apaniguados fautores ou símiles internos e externos), passando por muitos e variados tipos de viaturas, carruagens e vagões de interesses (de pequenas, médias e altas cilindradas) usados ou implementados por grande parte de toda uma classe política pindérica, parasita e cínica, aí incluída muita da ridícula corte dos poderes e aparelhos político-partidários e tecnocráticos que nos cercam, mentem e enganam, com os seus enfatuados amanuenses conjunturais, na maior e mais impune regência do sistema e com o mais retinto dos descaramentos pessoais e orgânicos!
___________
Publicado em http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=26200
e "Diário dos Açores" (Ponta Delgada, 04.12.2011)

Feitos e Defeitos da TV


A RTP-Açores tem vindo a introduzir nos intervalos de alguns programas um sugestivo separador telepublicitário constituído pela seleção de uma série de imagens de arquivo, produção e reportagem próprias, cujo alinhamento sem som – para assim potenciar o respetivo e deduzível impacto significante – tem um sentido perfeitamente definido e um alcance tão adequado que nem mil palavras conseguiriam, talvez, veicular e atingir de modo equivalente!

Ora estando estrategicamente pensada a inserção daquelas peças de antologia histórica, e bem assim modelado o critério que presidiu à sua intencional colocação em antena – ou, dir-se-ia melhor, em tempo, ou como se de tempo de antena se tratasse –, na presente conjuntura conflitual de redefinição do serviço público de Radiotelevisão em Portugal e nos Centros de Produção da Madeira e dos Açores, ainda maiores e exemplares alcances almejarão as mensagens ali subjacentes

Deixando para outra ocasião uma necessária (porém ainda adiada) análise crítica, sistemática e independente do papel e do balanço histórico da RTP-A, onde não poderão deixar de figurar múltiplas e integrantes apreciações de produtos, serviços, índices e préstimos de transmissão, receção e audiência – a par de coimplicados fatores de ordem sociocomunicacional, económico-financeira, técnico-profissional, laboral, geopolítica e deontológica... –, e numa altura em que se torna a tentar um forcing com as tutelas e agentes envolvidos naquele processo, bom seria que fosse relido todo o Relatório do Grupo de Trabalho coordenado por João Duque, cotejando-o até com anteriores documentos análogos, e se atendesse igualmente à recente Entrevista que o economista concedeu à revista Notícias TV…

– Talvez que, com esses elementos em mente, se moderassem então algumas afoitas fitas, cuja credibilidade e aceitação junto dos relvados e narizes do Poder já vimos a que aparadelas, portas e janelas levam!
_____________________
- Publicado em "Diário Insular" (Angra do Heroísmo, 04.12.2011)

domingo, novembro 27, 2011

As glosas de Dumas


É conhecida e tem sido glosada nos mais variados contextos, embora quase sempre de modo invertido, a célebre divisa que Alexandre Dumas consagrou na novela Os Três Mosqueteiros e cujo texto original é “Todos por um! Um por todos!”.
 Nos tempos actuais, essa frase – equivalente a uma palavra de ordem ou slogan mobilizador – tem aparecido até com maior frequência em muitos dos discursos e práticas que cunham o nosso tão mediatizado quotidiano próximo…
 E é assim que se tem recorrido muito àquela representação – porém sintomaticamente sob o realinhado formato de “Um por todos e todos por um”… –, tal como se verificou em três casos:
– O primeiro foi o de António Costa, em Junho, ao apelar à (sua) mobilização à roda do fuso da (ex)liderança socratista, nestes unanimistas e delirantes termos: “ Pensaram que podiam cortar o PS às fatias, dizendo que uns eram bons e outros eram maus. Estavam enganados, não conhecem o PS! No PS temos um lema: um por todos e todos por um";
- o segundo foi o do economista João Duque (coordenador do Relatório para Relvas, o tal defensor da suficiente janela-postigo para o serviço público da RTP-A, que está em estado comatoso, ao que lá se vê…), questionando se “os habitantes e os políticos” da União Europeia se sentiriam todos vinculados da mesma maneira à crise económica, fossem tanto credores ou devedores dela;
- o terceiro, vindo da Madeira, lá trouxe o mesmo lema, mas subentendido, numa clara norma totalitária (e de recorte anticonstitucional), ao consagrar uma proposta do PSD, para que, nos plenários parlamentares autonomistas, em certas votações, um deputado possa votar por outros!!
– Ora distintos que sejam os ditos moldes, mas estando pressuposto em todos eles que a união faz a força e pode assim cimentar (ou fragmentar...) Poder, bom seria que glosas análogas fossem pensadas criteriosamente antes de consumadas à custa da liberdade, da responsabilidade pessoal e da consciência de todos e de cada um.
_________________
Em "Diário Insular (26.11.2011)

Os Plátanos e o Outono do Patriarca


A polémica à volta dos destinos a dar a uma conhecida e formosa alameda de plátanos junto à vila da Povoação, na ilha de S. Miguel, é exemplar a todos os títulos e bem pode servir como parábola ou paradigma de muitas outras ocorrências técnico-institucionais (e de outras tantas implantações…) que se verificam aos mais diversos níveis e diferentes campos, jardins, estradas e atalhos regionais, conforme a servidão ou o préstimo dos acessos…

Assim, tal modelo de desacertos, carências de coordenação dialogada e disparidade de interesses – e de graves faltas de bom senso e visão patrimonial, cultura de desenvolvimento e civilidade ecológica –, logo levou a situações caricatas (como se antes não tivessem já sido de tragicomédia emproada, mediaticamente denunciada…), bem reveladoras do lastimável estado de espírito, piso ou berma dos caminhos que vamos penosamente trilhando, à deriva e na ausência de rumos e bosquejos coerentes e credíveis!

Por outro lado e como é sabido, nestas questões relativas à Ecologia, aos Patrimónios Naturais, à Política para o Meio Ambiente, à Protecção dos Habitats, à Defesa das Espécies, à Protecção dos Animais, ao Turismo Ecológico, Paisagístico e Histórico-Cultural, etc. – realidades e potencialidades afinal todas interligadas –, sempre aparecem em presença, e recorrentemente em confronto, múltiplas posições e sensibilidades, às quais não são alheias outros tantos interesses e filosofias da Vida.

Porém, diga-se que o que se está abordando e propondo hoje como horizonte para reflexão não é só, nem sequer principalmente, uma estrita abordagem de políticas de ambiente, antes uma verdadeira e mais ampla ecopolítica (não confundível com a acepção “essencialmente organizativa e institucional” que àquela se encontra associada), porquanto, como muito bem já assinalou Viriato Soromenho Marques, poderemos afirmar que à concepção de ecopolítica se “deve vincular o projecto de uma crítica da política dominante, (…) de um outro modo de ver a política, de uma crítica essencial da teoria e da praxis política, baseada numa tomada de posição ao nível dos princípios”!

Ora tudo isto, que o caso da alameda dos plátanos micaelenses tipifica, só não teve, desta vez, um imediatamente infeliz, desordenado e irremediável desfecho técnico-ambiental e político devido à pronta e precaucional intervenção do presidente do Governo, o único verdadeiramente primeiro e último decisor de toda uma série de medidas tomadas na governação socialista açoriana (e também nas outras deixadas sem implementação!) por uma grandemente medíocre e incompetente galeria de humanos arbúsculos e demais plantas de mera decoração de gabinete (porém, e mesmo aí, sempre em sustentada estimação executiva e parlamentar…).

– Mas tudo isto ainda e finalmente, é tanto mais imperdoável, à medida que o tempo passa e se esgota, quanto, por entre tantas outras alternativas possíveis e outras melhores e mais emblemáticas hortênsias autonómicas, foram crescendo e continuarão parasitando até ao fim nesta insular árvore de patacas e de contemporâneos Malucos, como ervas daninhas ou viçosos esgalhados dos piores cepos partidários (ou das suas híbridas enxertias de conjuntura oportunista e lucrativa…), muitos daqueles troncos a que já nem a camuflagem das folhas tutelares e douradas, mas em declínio protector, do “grande senhor” dos plátanos – como no Outono do Patriarca de Gabriel García Marquez…) – consegue esconder os ramos gastos, reduzidos à sua real e improdutiva natureza, e na sua provavelmente penúltima floração.
___________________
ttp://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=26119
e "Diário dos Açores (27.11.2011)

sábado, novembro 19, 2011

As Colunas do Poder


 
     Com grande notoriedade mediática – especialmente em importantes órgãos da Comunicação Social escrita nacional (jornais e revistas) – mereceram, nos últimos dias, a Maçonaria portuguesa e a Política lusa, conjugadamente, uma significativa, ampla e desusada abordagem, à qual não faltaram muitos dos atraentes motivos e ingredientes que sempre estiveram, e ainda estão, associados àquela aureolada instituição e àquele decisivo (e decisório…) domínio da vida do País.
    
Ora não deixa – talvez, mas apenas à primeira vista… – de causar alguma estranheza o facto de ser precisamente nesta época de crises generalizadas (em Portugal, na Europa e nos Estados Unidos…) que entre nós esse tema tenha sido trazido, da forma como o foi, ao espaço, à divulgação e ao conhecimento da generalidade da opinião pública, curiosa e até potencialmente cativante, tanto mais quanto isso mesmo foi efectivado com a precisa, minuciosa e planeada revelação doseada – mais ou menos atractiva, sugestiva e sedutora… – de alguns documentados e ilustrados pormenores (afinal, nem sequer tão secretos ou reservados como se poderá ter querido fazer parecer) da história, génese, características, ritualidades, simbologias e práticas daquela instituição e dita “sociedade secreta”, que assim e por este meio viu provavelmente mais polidas e potencialmente levantadas algumas das suas novas e pretendidas colunas
    
Porém, e para além daqueles sucintos dados, o que mais acentuadamente terá motivado muita da referida e conseguida oferta de tão rentável produto informativo – e das respectivas e diligentes investigações jornalísticas que lhe deram matéria para edição –, foi certamente o rol de nomes dos “irmãos” ali elencados como pertencentes à agora relembrada Maçonaria (nas suas diversas obediências, tendências, Lojas e preponderantes filiações ideológicas ou político-partidárias, com destaque aqui, como é sabido, mas não só, para ilustres dirigentes históricos do PS e do PSD.

     – De resto, e quanto ao PSD, o referido destaque não deixa de vir mesmo a propósito e muito convenientemente por causa da distinta personalidade do seu quase plenipotenciário e iluminado ministro Relvas, figurinha aliás cada vez mais hegemónica no compasso governativo de Passos, e cuja emproada barriguinha de poderes, mesmo sem avental visível que lhe cubra as entranhadas circunvoluções e marteladas na Autonomia, lá vai conseguindo apertar os seus cordões nodosos aonde muito bem ou mal, e conforme quer, pode e manda!

     Não há dúvida que este tema da Maçonaria é mesmo apaixonante, revestindo-se de inusitados alcances directos e indirectos, de todos os pontos de vistas, mas sem dúvida ainda mais para o estudo da História e das Mentalidades.

     – E assim merece hoje e aqui referência, também pelos dados que no respeitante aos Açores contém, o recente livro do historiador António Ventura, aonde é sucintamente analisado o papel da Maçonaria e dos Maçons na Primeira República e na Assembleia Constituinte de 1911, entre os quais figuravam alguns açorianos e eleitos pelos Açores (António Joaquim Sousa Júnior, Augusto de Almeida Monjardino, Eduardo Augusto da Rocha de Abreu, Faustino da Fonseca, Francisco Luís Tavares e Manuel Goulart de Medeiros), e bem assim alguns outros cuja vida familiar e profissional de algum modo se ligou ao Arquipélago e à Maçonaria nas ilhas. A obra tem pois um especial interesse histórico-biográfico, complementando deste modo outros estudos conhecidos e de maior fôlego sobre o mesmo conturbado período da história de Portugal.

     Quanto aos primeiramente referidos artigos jornalísticos e de revista, ainda vistos à luz dos dados que a citada obra Os Constituintes de 1911 e a Maçonaria (Lisboa, Círculo de Leitores, 2011) inclui, não poderá deixar de constatar-se que na Maçonaria, como em todas as instituições, há gente de bem, de mérito e de genuína valia humana, científica e política (a quem Portugal e os Açores muito deveram e devem), a par de outros – como hoje é mais do que evidente continuar a poder ser constatado! –, cuja errática e oportunista carreira, mediocridade intolerante e pérfidas jogatinas de poder e fortuna são o contra-testemunho contínuo de quaisquer ideais fraternos e humanistas (ou assim pretensamente assumidos como tal)…

     – Todavia este é um assunto já profunda e propriamente filosófico e muito mais crítico, cujos contornos sistemáticos, teóricos e práticos, devem ser sempre relembrados, tal como aliás não deixaram de o fazer de passagem, no contexto que referimos, algumas destacadas figuras religiosas, teológicas e intelectuais da nossa Igreja Católica!
____________
Publicado em "A União" (http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=26050),
"Diário dos Açores" (Ponta Delgada, 20.11.2011),
e Azores Digital (http://www.azoresdigital.com/ler.php?id=2166&tipo=col)




As Estratégias da Imagem


Nos últimos meses, talvez como nunca  nos passados anos, ganhou tanta importância, para a afirmação (prestígio, direitos, deveres e créditos das Autonomias, a própria imagem que de si e de nós – por intermédio das nossas instituições, actores e discursos – tem sido transmitida, por acção ou omissão, ao País inteiro.

Desde o famoso e controverso “buraco” da Madeira até aos resíduos (tristes restos, lamentáveis e penalizadores!) da dramática e irresponsável era de Sócrates a quem e à qual quase todo um (ir)reconhecível ou talvez definitivamente estigmatizado PS que (durante anos seguidos, e em peso) se rendeu e que ainda por cá vegeta ou pulula à sombra desnorteante de uma morte eleitoral possível (já anunciada, desejada ou prenunciada por outros, a quem, por seu lado, oxalá também as reservas de virtude, ou a presunção de alternativa credível, não lhes caiam pelo caminho…) –, passando pelas campanhas (quase todas falhadas!) da chamada “promoção” dos Açores e deles como “destino” – fatal e dúbia palavra esta, até nos persistentemente inócuos ou inoperantes esquissos da propaganda de um Turismo de feiras caras e certames duvidosos…

De tudo isso um pouco – dizia – nada nos tem faltado, e o que mais temos visto são enternecedoras encenações da excelência vacum insular nas rotundas da capital, marialvas incursões pelos campos e redondéis da tauromaquia lisboeta e mundial (pois então!), localmente ainda alimentada à mão e à base de expansivos intercâmbios, estatuária icónica de vitalidades perdidas, subsídios generosos para aparatosos eventos e incríveis faenas teóricas em cartazes abusivamente mensageiros de identidades forjadas (legitimadas por quem?), até às últimas da “parada gay” e do mergulho arriscado em terras (águas…) que já foram de baleeiros, de cândidos ecologistas e de cientistas e apaixonados pela Natureza e pela Beleza das nossas Ilhas…

– Só nos falta mesmo a estratégia da representação da vítima inocente ou a do bode expiatório que, até essas, não tardam aí a ser-nos ateadas ou tributadas!

É só esperar para ver…
_______________

▪ Em “Diário Insular”- http://www.diarioinsular.com (Angra do Heroísmo, 19.11.2011)
e http://www.azoresdigital.com/.

sábado, novembro 12, 2011

Ruy Belo e o Portugal Futuro


1. Na passada semana decorreu em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian (FCG), o esperado Colóquio Internacional sobre o poeta, professor, tradutor (Saint-Exupéry, Montesquieu, Borges, Lorca…) e ensaísta Ruy Belo – “Homem de Palavra [s]”, como o Cartaz sugestivamente subintitulava esse promissor e conseguido simpósio cultural e académico organizado por Paula Morão, Nuno Júdice e Teresa Belo (integrando os dois primeiros também a Comissão Científica do mesmo evento).

– Esse encontro, em boa hora promovido e apoiado pela FCG, e inovadora e proveitosamente transmitido em directo pela Internet, contou ainda, para além da Conferência de Encerramento por Eduardo Lourenço, com uma Sessão de Leitura de Poemas (com Luís Miguel Cintra e Rita Blanco), e com a Apresentação de Livros – Revista Colóquio/Letras, n.º 178, dedicado a Ruy Belo; Na Margem da Alegria, Antologia organizada por Manuel Gusmão; O Núcleo da Claridade, de Duarte Belo, e Homem de Palavra[s], de Paula Morão –, conforme referido no respectivo Programa e em cujos painéis qual participaram estudiosos e investigadores portugueses e brasileiros do autor, entre outros, de Aquele Grande Rio Eufrates (1961), O Problema da Habitação (1962), Transporte no Tempo (1973), País Possível (1973), A Margem da Alegria (1974), Toda a Terra (1976) e Despeço-me da Terra da Alegria (1978), e cuja Obra Completa tem vindo a ser sucessivamente reunida e reeditada (pela Presença, pelo Círculo de Leitores e pela Assírio & Alvim).

2. Nascido em S. João da Ribeira (Rio Maior, 27.02.1933) e falecido precocemente (Queluz, 8 de Agosto de 1978), Ruy Belo primeiro cursou Direito em Coimbra (1956), doutorando-se logo de seguida em Direito Canónico (com uma tese intitulada “Ficção Literária e Censura Eclesiástica”, na Universidade de S. Tomás de Aquino/Angelicum, em Roma), vindo, mais tarde (1967) a licenciar-se também em Filologia Românica, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.


– Entretanto, após o acima referido doutoramento e a quando do seu regresso de Itália ao nosso país, Ruy Belo – então membro activo do Opus Dei, organização que viria depois a abandonar – trabalhou intensamente na área educativa e na divulgação intelectual, sociocultural, filosófica e religiosa católica (tendo sido director literário da memorável Editorial Aster e chefe de redacção da revista “Rumo”, onde publicou ensaio e crítica), e director-adjunto do director do Serviço de Escolha de Livros do Ministério da Educação Nacional, cargo que abandonou quando ia ser nomeado director. Profissionalmente, Ruy Belo fez ainda estágio para advocacia como subdelegado do Procurador da República, enquanto se distinguia como colaborador de jornais, revistas e suplementos culturais portugueses no “Diário de Notícias”, “Diário de Lisboa”, “Rumo”, “O Tempo e o Modo”, etc.

Todavia, devido às suas conhecidas posições políticas e ligações à Oposição ao regime do Estado Novo, à participação na greve académica de 62 e à candidatura a deputado, em 1969, pela CEUD (Comissão Eleitoral de Unidade Democrática) – que, recorde-se, disputando terrenos oposicionistas democráticos e demarcando-se portanto do PCP e da sua subalterna CDE (Comissão Democrática Eleitoral), mais tarde Movimento Democrático Português (MDP/CDE), integrava especialmente socialistas ligados a Mário Soares e à ASP (Acção Socialista Portuguesa, antecedente e primórdio da criação do PS), algumas personalidades católicas, independentes e elementos monárquicos (Francisco Sousa Tavares, Sophia de Mello Breyner e Gonçalo Ribeiro Telles, por exemplo) –, Ruy Belo logo viu as suas actividades profissionais e institucionais condicionadas e a sua vida pública e privada vigiadas pela PIDE…

– Assim e então, tendo-lhe entretanto sido concedida uma Bolsa de Investigação pela FCG, Ruy Belo acabaria por ir para Espanha, exercendo Leitorado de Português na Universidade de Madrid (entre 1971 e 1977, ano em que regressou a Portugal e foi ensinar na Escola Técnica do Cacém, a turmas do ensino nocturno…, por lhe ter sido recusada a possibilidade de leccionar na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa!). Todavia, em 1991, viria a ser condecorado, pelo Presidente da República, com o grau de Grande Oficial da Ordem Militar de Sant'iago da Espada, a título póstumo …


3. Escrita marcada por intertextualidades várias (Pessoa, a Bíblia…) e por intencionalidades e imagísticas de pendor existencial, religioso e sociopolítico – umas vezes directas, outras apenas sugeridas num discurso que amiúde se revestiu de recortes narrativos e de resistência ética, crítica do quotidiano e até de uma acidez angustiada com que desmontava ou (re)construía um senso comum de realidade sobre o qual – como escreveu Óscar Lopes – provocava “um pequeno sismo vivificante” –, a Poesia de Ruy Belo denota um verdadeiro e diligente trabalho sobre o texto literário e um simultâneo compromisso do Escritor, exacta e lapidarmente assim mesmo dito homem de palavra(s), título aliás de um dos seus livros (editado em 1970 nos Cadernos de Poesia das Publicações Dom Quixote) e do recente Colóquio, conforme acima referimos.

– Lembro-me muito bem das primeiras leituras que da sua obra me foi dado fazer, por indicação de minha mãe e por intermédio então de amigos comuns seus, do movimento dos Cursos de Cristandade e do Opus Dei, e não poucas foram as vezes que a eles depois recorri na actividade lectiva, em encontros de reflexão e em recitais promovidos na ilha Terceira.



Mas de entre essas sensibilizantes leituras recordo especialmente as dos poemas “Nós os vencidos do catolicismo”, “Quadras da alma dorida”, “Palavras de Jacob depois do sonho”, “ Na praia” e – como não podia deixar de ser – “O Portugal futuro”, aquele do passado (o de ontem propriamente dito, mas ainda, enraizadamente como fatalidade opressora, em parte herdada, imposta ou consentida desse tempo sombrio nos recorrentes estigmas e vícios do nosso dramático presente!), sobre cujo leito negro poderá ser duro edificar o nosso desalmado e amordaçado amanhã…
____________
 
Publicado em "A União" (Angra do Heroísmo, 12.11.2011):
Azores Digital: http://www.azoresdigital.com/ler.php?id=2165&tipo=col,
e "Diário dos Açores" (Ponta Delgada, 13.11.2011).

Os Bordões e os Nós


Quem prestar atenção aos discursos e bordões de linguagem que enxameiam o espaço público circundante, não deixará de impressionar-se com a recorrência de uma série de conceitos, juízos e envergaduras de raciocínio…

– Modismos vários, apoios elocutórios para balbuciações, toques de claque e pausas mimadas (quase sempre da voz do dono ou do chefe, até aos limites do tom menor), enriçados ou seriados pontapés na gramática e nos cós da consciência…), – um pouco de tudo isso nos é dado colher nas tribunas, dichotes de bancada ou afoitos depoimentos eloquentemente emitidos pelos nossos mais prodigiosos actores, empreendedores mediáticos e políticos!

Porém, com o acentuar da crise (ubíquo vocábulo-gazua para toda a palha que se queira servir à mesa ou ao redil dos leigos na matéria), também nos vem chegando outras expeditas nomenclaturas, girando à volta de cifras que nem moeda cunhada em roleta para comprar e vender pescado e almas em cesto roto…

Ora vários daqueles bordões – que tanto podem ajudar a pensar, como nada significar –, vem bastas vezes determinados a partir de discursos, truques e ideologias híbridas e contraditórias! E então nas áreas da Economia e da Gestão da coisa pública ou privada – mas mais na primeira, que não pesa na bolsa pessoal dos seus transitórios (ir)responsáveis, e aonde se falsificam até as escarmentas dos melhores mestres… – nem se fala, de tanto ali estarem pautadas as banhas e as bainhas com indubitáveis obviamente(s), e cuja evidência, suposta, a ninguém, pelos vistos, deveria escapar!

– Mas oxalá que de tais iluminações nos livre o sombrio destino sorte, ao menos para não regressarmos às tentações do do Otelo, ou aos olés que o dito sonhou implantar por sobre a inteligência submissa e humilhada do que resta do nosso País, para quem os históricos nós na língua e as proverbiais varas no lombo, ciclicamente, parecem às vezes ser mesmo o consentâneo corolário da sua fatídica e culpada decadência.
________________
Publicado em "Diário Insular" (Angra do Heroísmo, 12.11.2011):

sábado, novembro 05, 2011

Os Aparadores de Relvas



aparadores de tudo e para quase tudo, neste nosso variegado e cada vez mais plano mundo de Deus, seres e discursos – conforme o denominou Thomas L. Friedman –, que é como quem diz, ou apenas o rebatiza, cada vez mais unidimensional (para usarmos aqui a expressiva conceptualidade crítica do velho filósofo Herbert Marcuse…).

Contudo, o supracitado e aduzido adjetivo (plano) e a respetiva realidade visada ou projetada – embora talvez mais rigorosamente ditos e perspetiváveis como bidimensionais – isto é, como e em horizontalidade niveladora de todas as redes, sistemas e subsistemas da globalização planetária (então reduzida a essoutra configuração georeticular) –, na verdade podem mesmo aparecer-nos assim aplanados, devido aos efeitos conjugados dos múltiplos e hegemónicos torniquetes e prensas do Poder, da Economia e da Comunicação que foram preenchendo, rasoirando ou arrasando crescentes vetores, diferenciações ou coordenadas (ainda cartesianas ou já maquiavélicas?) de uma talvez ultrapassada Modernidade planetária, nacional e regional (esférica essa, e para a qual os Portugueses até terão contribuído decisivamente, conquanto ela mesma, não raras vezes, sociohistórica e civilizacionalmente desigual, desequilibrada, predatória e injusta!).

– Porém, na homonímia que o termo aparador leva no seu bojo semântico, também se podem integrar outros artefactos, instrumentos, recursos e gadgets humanos e políticos, desde aqueles patrimónios de sala ou cozinha (que certas famílias, à falta de outros brasões, às vezes herdam e outras desprezam!), até aos moderníssimos aparadores de capim colonial (ou suposto cerrado em pasto daninho…), ou mesmo àqueles, ainda mais recentes e assombrosos, mecanismos nanotecnológicos que desviam a luz de certos objetos evidentes, tornando-os invisíveis e como que inexistentes ou insignificantes

– Ora é precisamente a alguns destes últimos, a quase todos eles, infelizmente, que se assemelham as aparadoras atitudes moucas e os desprezíveis aparadores do jogo, dos gestos e dos discursos de um tal de relvas, ministro-aparadeira do reino e sabe-se lá de que outras mais repugnantes confrarias, sub-reptícia ou secretamente antiaçorianas e antiautonómicas!
__________________
Publicado em:
Jornal "A União" (Angra do Heroísmo, 05.11.2011): http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=25869
Azores Digital: http://www.azoresdigital.com/ler.php?id=2163&tipo=col
Jornal "Diário dos Açores (Ponta Delgada, 06.11.11)
Primeira versão: Jornal "Diário Insular" (Angra do Heroísmo, 05.11.11):
http://www.diarioinsular.com/

sábado, outubro 29, 2011

As Janelas da Lusofonia



À semelhança do que tem acontecido em outras Revistas culturais e literárias portuguesas, no seu último número (1071, de 19.10-1 a 1.11.2011) o Jornal de Letras, Artes e Ideias (JL) dedicou a respectiva capa e parte substancial dessa tiragem à obra do autor de Os Lusíadas, a propósito destacando a anunciada e tão merecidamente aguardada publicação, pela Editorial Caminho, do novo e monumental Dicionário Luís de Camões, obra organizada pelo Prof. Vítor Manuel de Aguiar e Silva (distinto Académico, Investigador e um dos maiores peritos mundiais na área da Teoria e dos Estudos Literários), a quem – também por relembradas ligações familiares comuns à Praia da Vitória, aonde por estes dias tem lugar um Congresso da APEL e uma série de eventos integrados no “Outono Vivo” (http://www.outonovivo.com/) precisamente em VI edição e sob a égide temática da Lusofonia – felicito pela final concretização desse tão acalentado e precioso projecto para o estudo, conhecimento, ensino, cultivo e divulgação universal da Língua e da Cultura Portuguesas.

– Ora, ainda por esse especial ensejo editorial, nas páginas do JL foram publicados alguns apelativos extractos de Verbetes da obra (nomeadamente da nossa estimada colega, professora da Universidade dos Açores e já distinta camoniana, Maria do Céu Fraga); um sucinto Inquérito a diversos escritores e poetas; um ensaio sobre o ensino escolar e universitário de Camões, e bem assim e sobretudo, assinaladamente, uma muita sugestiva e elucidativa Entrevista com Aguiar e Silva, na qual são especificados o conteúdo, a estrutura, os critérios e a metodologia crítica que presidiram à organização do seu Dicionário.

De resto e para além do mais, merecem logo registo as exemplares palavras de evidente fascínio com que o organizador deste actualíssimo épico labor refere aquilo que sempre o atraiu na Lírica, tudo quanto continua a seduzi-lo hoje em Os Lusíadas e na magna obra de quem tão alto cantou tanto as gestas gloriosas como os fatais destinos da Pátria e da lusa Gente:

– “O poema é uma magnificente construção verbal, retórica e estilística, uma deslumbrante tapeçaria de mitos, símbolos e alegorias, uma espantosa apropriação intertextual de motivos, tópicos e estilemas, uma celebração jubilosa da glória das navegações e das conquistas, uma reflexão de surpreendente modernidade sobre os riscos e malefícios dessas mesmas navegações e conquistas e dos seus objectivos imperiais, uma denúncia corajosa e pungente dos abismos em que se afundava Portugal. O fulgor solar da gesta heróica e as sombras da noite que veio, como há de dizer Pessoa. Uma voz contraditória, agónica, sebasticamente utopista e angustiadamente lúcida”.

Todavia, outras e muito pertinentes considerações foram ali retomadas por Aguiar e Silva, no que concerne especialmente às potencialidades e à difusão educativa, histórico-cultural, estético-literária e linguística – com os respectivos e fundamentais modos de presença curricular, didáctico-científica e pedagógica – a privilegiar na obra de Camões, o mesmo podendo dizer-se afinal, em todas as Disciplinas e áreas do Saber, com e nas obras de todos os Clássicos, como Italo Calvino propunha, e tanto mais quanto é de recear, sublinha mesmo o Prof. Vítor Aguiar e Silva, que, no domínio presente, “boa parte dos professores não tenha adquirido no ensino superior a indispensável formação (…) para guiar os alunos a conhecer, a admirar e a amar Camões”…

– Porém, oxalá e progressivamente que tal deixe de acontecer em todos os espaços da Lusofonia e em todos os possíveis horizontes disciplinares, com autores Clássicos e/ou ainda não universalmente consagrados, quando ao menos os lerem, previamente os estudarem, trabalharem e procurarem compreender a fundo e criticamente, com eles convivendo amiúde e assim, madura e competentemente, podendo vir a transmitir a outros um sempre renovado e verdadeiramente fascinante sentido, por pequenino que seja (e aí depois, desse único modo, com métodos e conteúdos sólidos, motivadoramente aplicáveis também às tantas vezes ainda confusas estratégias das interdisciplinaridades insulares…), das grandes e históricas narrativas do Espírito, através da iluminadora visão que simples mas abertas e transparentes janelas (nacionais e regionais) poderiam modernamente ajudar a revelar e inspiradoramente espelhar da Humanidade inteira!
_____________________
Em "A União" (Angra do Heroísmo, 29.10.2011): http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=25791;
"Diário dos Açores" (Ponta Delgada, 30.10.2011);
Outra versão: "Os Destinos de Camões", em "Diário Insular",
Angra do Heroísmo, 28.10.2011: http://www.diarioinsular.com/

sábado, outubro 22, 2011

As Sombras da Revolta


A semana que findou foi sem dúvida marcada pelas anunciadas e temíveis medidas governamentais de austeridade, previsão de cortes salariais e subsídios, penalizações tributárias, potenciação de nefastos efeitos no desemprego, despedimentos e falências, conjecturável recessão económica sistémica, etc., – tudo proposto ou decorrente do próximo Orçamento de Estado/Troika e nele plasmado pelo Governo PSD/CDS como mais um dos ditos frutos amargos das heranças, internas e externas, efectivamente recebidas ou tacticamente invocadas…

As reacções a tal torção do País e – também com algum recurso tardio, mas muito conveniente agora, diga-se… – às suas acrescidas expiações esburacadamente endossadas às Autonomias Regionais, não se fizeram esperar, vindas de quase todos os sectores, formações e classes sociais, e bem assim dos mais diversos agentes, atores, comentadores e analistas, politólogos e economistas (alguns destes, mais próximos dos puros e duros crânios da Escola de Chicago e alheios às determinações e fundamentos filosófico-políticos e ideológicos da Economia como Ciência Social, apenas compulsando cálculos e quantificações redutoramente economicistas e técnico-contabilísticas), sindicalistas desesperados, empresários e patrões aflitos, IPSS e ONG alarmadas, constitucionalistas e juristas divididos, movimentos cívicos indignados, intelectuais, filósofos e cientistas sociais em protesto, cidadãos em pânico, e – doutrinal e evangelicamente – a Igreja Católica!

Todavia, de entre todas as mais notáveis, paradigmáticas e controversas ou consensuais intervenções criticamente assumidas e que os OCS e as Redes Sociais registaram segundo perspectivas radicalmente opostas e/ou coincidentes, julgo merecerem destaque as seguintes:

     - D. Januário Torgal Ferreira (sem meias tintas de sermão ou missa cantada, fustigando os descomedimentos do Poder, do Governo e da Finança);

          - Boaventura Sousa Santos (na constatação da emergência da contestação e da explicitação da necessidade de uma alternativa profunda ao establishment político-constitucional, social e económico-financeiro vigente);

     - Bagão Félix (democrata-cristão, de consabida sensibilidade social, acentuando a injusta desproporcionalidade e falta de equidade nas bitolas fiscais preconizadas);

     - Mira Amaral (apelante abencerragem palavrosa da histórica baronia “social-democrata”, figura recorrentemente tutelar das mais recheadas e conspurcadas garagens de interesses e antigas carroçarias de prebendas bancárias e empresariais que ainda desgraçadamente enlameiam o presente e o futuro de certos expoentes do que resta do partido fundado por Sá Carneiro, e que, não há muito tempo sequer, distinguira-se novamente pela vulgaridade compulsiva do discurso político-partidário com que brindou uma sua companheira e adversária no PSD, a ponderável “velha senhora” Ferreira Leite…);

     - Gomes Canotilho (reconhecendo a possível inconstitucionalidade formal de algumas das excepcionais decretações agora impostas);

     - Bruto da Costa (com a sua objectiva análise, resistente coerência e profética denúncia social e ética dos riscos globais da galopante Pobreza em Portugal);

     - e finalmente (em acentuada e frontal fluência magistral!) o Presidente da República, Cavaco Silva, com o seu corajoso, muito crítico, precaucional e lúcido discurso ao Congresso dos Economistas (disponível em http://www.presidencia.pt/?idc=22&idi=58158), aplicando, específica e coerentemente à praça político-económica e societária lusas, perante a embasbacada e encolhida consciência da turma governamental e das formaturas partidárias que a suportam, aquilo mesmo que há semanas tinha análoga e incisivamente defendido, no Instituto Universitário Europeu de Florença, para a macro-escala económico-política europeia!

– E é assim que da atenta análise de todas essas intervenções e das circunstâncias e acontecimentos que as motivaram, para usarmos as metáforas biomédicas e existenciais tão usuais nestes dias de depressão e náusea nacionais, fica a evidente certeza de que nenhuma cura de nenhum mal poderá ser feita sem diagnóstico diferenciado e terapêutica holística, psicossomaticamente equilibrada e com regulação homeostática…, o que é o mesmo que constatar que a política financeira e a contabilística económica, quando exercidas à revelia da recta e superior ordenação do Bem Comum dos corpos sociais e contra toda a normatividade personalista e ética da Justiça, do Desenvolvimento Integral, da Solidariedade e da Liberdade, mais não suscitam, configuram e potenciam do que a cancerização de todos os tecidos e órgãos comunitários – leia-se sofrimento, injustiça, opressão, miséria, estagnação, ressentimento, violência, criminalidade… – e um crescente, daí resultante e legitimado direito à indignação, à revolta e (quando não até…) à Revolução, como as lições da História mostram e, muitas vezes, exigem mesmo.

Todavia – como acaba de lembrar Eduardo Lourenço, evocando europeias sombras, os riscos e os perigos “dos caos regeneradores, da mitologia do caos wagneriano e da defesa de que o caos regenera” –, não deve a justa indignação ser apenas usada como arma, porquanto ela é mais da ordem e da natureza dos sintomas

– Por isso é que, mais do que apelos à Revolução, o que deve advogar-se é uma outra Democracia, “o mínimo exercício dela” em tudo, a começar certamente também na vontade e no direito dos Povos, Nações e Regiões ao democrático exercício da rejeição daquilo e de quem os domina, explora e impiedosamente acabará por destrui-los!

-----------------------------
Publicado em "A União" (http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=25703) e "Diário dos Açores" (Ponta Delgada, 23.10.2011) e "Azores Digital" (http://www.azoresdigital.com/ler.php?id=2160&tipo=col).
Outra e primeira versão em "Diário Insular": http://www.diarioinsular.com/ (Angra do Heroísmo, 22.10.2011).

sábado, outubro 15, 2011

Alegrias e tristezas políticas



A mais ou menos esperada confirmação da não recandidatura de Carlos César à presidência do Governo Regional dos Açores não colheu propriamente ninguém de surpresa, tanto mais quanto apelos a outras airosas saídas ético-politica e juridicamente consentâneas – aceitáveis e até mais do que desejáveis para um PS outro, confiante e consciente de si –, não tiveram acolhimento corajoso, para gáudio imenso, calorosos louvores e aliviados suspiros de insuspeitos adversários e permanentes meninos e meninas de coro e corte…

Todavia, certamente pesados bem interesses pessoais e os do PS, lá se optou por essa solução (conquanto de risco certo!), já brilhando mesmo nas ilhas uma girândola sobre os rumos do líder (mais provisório agora, a prazo definido e curto):

– E é assim que disjuntamente o vislumbram apenas na liderança do PS-A; na cadeira presidencial da ALRAA (conforme os recortes inimagináveis de uma improvável revisão constitucional…); na calha para a corrida presidencial da República (liricamente versejada por Alegre), ou, enfim, na expectativa de protagonismo mais nacional, com um regresso do PS em força à AR, ou a um executivo de bloco central (coisas de puro delírio, após a herança quase criminosamente deixada, e submissa e pateticamente consentida por escusado tempo e por tantos fadistinhas e comparsas da repulsiva figura desse nominal clone menor do sábio e do similar fado da Grécia (que já Eça a químicos papeis de nós tirou, berço antigo e parcial de uma ciclicamente desalmada Europa, a mesma que Soares e agora Cavaco tanto fustigam…) – e da sua vil regência nesta bipolar Nação (cada vez mais em asfixiante estado de choque, sítio societário e sonambulismo explosivo) que o governo de Lisboa, com a miserável ajuda de OCS, irresponsável e paranoicamente cada vez mais vai subliminarmente induzindo à arruaça e à insurreição violenta (e que só a lucidez da CGTP será, talvez, capaz de evitar!).

Mas quanto ao nosso Eça, sempre tão actual em “As Farpas” de Uma Campanha Alegre, onde, como ele diz, não há com efeito senão “uma transbordante alegria”, “um riso que peleja” – “Que peleja por aquilo que eu supunha a Razão. Que peleja contra aquilo que eu supunha a Tolice” –, releia-se, tristemente todavia, o que próprio constatou (já também…) em Janeiro de 1872:

– “Nós estamos num estado comparável somente à Grécia: mesma pobreza, mesma indignidade política, mesma trapalhada económica, mesmo abaixamento dos caracteres, mesma decadência de espírito. Nos livros estrangeiros, nas revistas, quando se quer falar de um país caótico e que pela sua decadência progressiva poderá vis a ser riscado do mapa da Europa – citam-se, a par, Grécia e Portugal. Nós, porém, não possuímos como a Grécia, além de uma história gloriosa, a honra de ter criado uma religião, uma literatura de modelo universal, e o museu humano da beleza da Arte. (…) Como deve ser infeliz um rei inteligente (ou, hoje, qualquer Presidente digno desse nome…), quando, caído em cepticismo e misantropia pela certeza que adquiriu de que está no meio de uma pocilga política…”!

E quanto aos Açores, aos brindes, lágrimas de alegria, hipócritas reverências e inocentes ou quase evangélicas laudes – imagine-se! – pelo cumprimento da palavra, nada disso também é para admirar.

– Porquê, ou à custa de quem, é o que se comprovará depois…

-----------------
Publicado em "Diário dos Açores" (Ponta Delgada, 16.10.2011), "Azores Digital" (http://www.azoresdigital.com/ler.php?id=2157&tipo=col) e "A União" (http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=25630).
Primeira versão em "Diário Insular" (Angra do Heroísmo, 15.10.2011).




sábado, outubro 08, 2011

O Cardeal e as mãos da Política



Causaram sintomáticas reacções a diferentes níveis e género de vocabulário e discurso, as recentes declarações, em entrevista ao JN, do Cardeal Patriarca de Lisboa sobre a acção política directa tal “como ela é feita hoje”, sendo que, segundo D. José Policarpo, desse preciso contexto e definido campo “ninguém sai com as mãos limpas”!

– De facto e na sequência da manifestação de tal juízo, logo se multiplicou nos OCS e nas redes sociais toda uma série de comentários também bastante preenchidos por considerações provindas de algumas figuras e personalidades nacionais, regionais e locais, mormente da área político-partidária e jornalística...

Ora, como é sabido, a expressão “mãos sujas” (e/ou a antítese “mãos limpas”) tem sido paradigmática e historicamente usada em múltiplos registos e domínios discursivos (v.g. filosóficos, literários, estéticos, jurídicos, religiosos e morais), significando, real ou metaforicamente, toda uma fenomenologia da culpa e/ou uma espécie de violação, consentimento cúmplice ou atitude de transgressão de princípios ou de valores essenciais (nomeadamente os relativos à liberdade, à integridade do carácter, à honestidade na prática de actos, à autenticidade moral, à coerência entre os meios legítimos e a bondade dos fins, à transparência nas palavras e nas acções, à sinceridade, à verdade, etc.), estando ainda a mesma locução presente em obras literárias de pendor existencial reflexivo, como por exemplo no teatro sartriano de As mãos sujas (traduzido há anos para português por António Coimbra Martins) e no Camus de Os justos (também editado entre nós com um belo prefácio de António Quadros).

– E isto para já não falarmos nas conhecidas operações políticas, policiais e judiciais anti-corrupção que, por esse mundo fora, foram crismadas com similar código expressivo (bastando lembrar apenas as efectuadas no Brasil e as muito solicitadas e perdidas em Portugal, ou aquela famosíssima e italiana "Mãos Limpas" ("Mani pulite"), nos anos 90, que tentou sanear as finanças vaticanas das mafiosas golpadas bancárias e ambrosianas da Loja maçónica P2…

Porém, no caso actual, o que parece ter causado muita e maior indignação a alguns dos ditos e feitos (todos?) comentaristas – para além da ainda razoável crítica a uma possível (ou descuidada?) generalização inclusa no seu pronunciamento (o tal “ninguém”…) – foi o facto daquelas afirmações terem sido proferidas por um alto responsável da Igreja, – e vai daí foi um tal desancar na sua pessoa, na Instituição a que pertence e que também superior e responsavelmente representa, chamando-lhe (sem recuo sequer perante interjeições vulgares e ordinarices linguageiras!) de tudo e do pior, evocando-se à mistura velhas e consabidas misérias históricas reais do Catolicismo, discorrendo-se sobre calhas esquadrinhadas no mais serôdio anticlericalismo jacobino e maçónico, e fazendo-se superficial, ignorante e tendenciosa vista grossa ou distorcida sobre o inciso crítico, perfeitamente balizável e situado, que o discurso de D. José Policarpo comprovadamente contém:

– É que esse, de facto e ainda por cima, só se torna adequadamente interpretável por relação ao natural entendimento filosófico e antropológico da natureza ambígua de toda a acção política (e mesmo da pré-política, como o nosso antigo Reitor da UCP teorizava), tal como, aliás, saliento, acontece com toda a acção humana individual e com toda a própria história global da Humanidade e seus actos contingentes (enquanto e precisamente porque elas são formadas “pelas objectivações espácio-temporais da liberdade do homem, de uma liberdade empenhada e comprometida numa dialéctica de graça e pecado”…), como ele filosófica e criticamente elabora, lógica e consequentemente ainda enquanto teólogo e pastor, entre outros, no seu excepcional estudo Sinais dos Tempos (Roma e Lisboa, 1970/71).

Todavia tais pressupostos antropológicos e reservas éticas não podem nem devem implicar, nem solicitam – como também é bom ressalvar – o fomento do desinteresse, a alienação ou o resignado alheamento, pelos cristãos, da vida e da ordem sociopolíticas nas suas mais nobres, integrais e decisivas dimensões, sendo mesmo que, como a Exortação Christifideles Laici salienta, “As acusações de arrivismo, idolatria de poder, egoísmo e corrupção que muitas vezes são dirigidas aos homens do governo, do parlamento, da classe dominante ou partido político, bem como a opinião muito difusa de que a política é um lugar de necessário perigo moral, não justificam minimamente nem o cepticismo nem o absentismo dos cristãos pela coisa pública”…

– É claro que aqui e ali estamos em campos e universos conceptuais e existenciais completamente distintos, e assim o lamentável e fútil desconhecimento – pelos feitos e ditos comentadores – da pessoa, do pensamento e da obra do nosso Cardeal, não devia ter constituído gratuito móbil para tanta aversão anticlerical, parte dela a raiar até estilos de jacobinismo ou marteladas maçónicas de outrora…

E depois, ainda seria curioso (re)vê-los, a esses, noutras tribunas (políticas, jornalísticas e culturais…) menos esconsas ou ficcionais, mas em coerência de intenção radicada e idêntica verve, erguer semelhantes punhos e setas para bater, tão facilmente à distância ou à socapa, num velho académico e purpurado da Igreja em Portugal!

– Mas termino aqui:

Ainda não há muitos anos, na sequência de uma notável, exemplar e qualificada troca epistolar, depois vertida para livro com prefácio de Eduardo Lourenço, sobre o título de Diálogos sobre a Fé, Eduardo Prado Coelho escrevia a D. José Policarpo:

“O Meu Caro Amigo diz que desde sempre sentiu um desejo de pôr o diálogo em prática. Não tenho dúvidas. Se há algo que define a Igreja portuguesa, tem sido este clima relativamente recente como ela se integrou na democracia e como em muitos planos nos deu, a todos nós, verdadeiras lições de espírito aberto e dialogante. É natural que isto de faça de forma diferenciada conforme as personalidades, os lugares, as tradições e as responsabilidades. Mas a verdade é que a grande linha de orientação que neste momento domina é em muitos aspectos marcada por uma capacidade de ser positiva, afirmativa, expansiva – e isso merece de nós um aplauso unânime”.

– Boa ocasião porém e assim para um purificar de mãos, transparência de ideias e tino nas conscienciosas línguas de políticos, jornalistas e comentadores, tão pouco dignos afinal, nas suas cívica, eticamente (in)visíveis e impunes facetas… do Facebook!

----------
Publicado em: "A União" (08.10.2011): http://www.auniao.com/noticias/ver.php?id=25539,
"Diário dos Açores" (09.10.2011) e Azores Digital (http://www.azoresdigital.com/ler.php?id=2155&tipo=col).
Primeira versão em "Diário Insular" (Angra do Heroísmo, 08.10.2011).