sábado, abril 27, 2013


As Leituras dos Cursistas

Como aqui assinalei antes, está presentemente a decorrer em Angra do Heroísmo a comemoração do quinquagésimo aniversário dos Cursos de Cristandade nos Açores.


Para além da sua já situada importância social – a par das Semanas de Estudo que, embora em campos diferentes, também foram concretizações de consciencialização e elaboração do pensamento e da acção da nossa sociedade na segunda metade do Século XX –, sinalizarei hoje algumas das sugestões doutrinárias e recomendações bibliográficas que eram propostas e disponibilizadas para aprofundada reflexão e contínua formação religiosa, teológica e moral dos Cursistas, e que moldaram assim muitas das linhas teórico-práticas orientadoras e renovadoras do sentido e projectos cristãos do seu mundo, buscas de sentido, reflexão e vivências do quotidiano, sendo que a tanto não fora alheio o Vaticano II, como aliás reconheceu D. Juan Hervás, no seu Manual de Responsáveis dos Cursilhos de Cristandade, ao referir a conciliar “incorporação plena dos movimentos bíblico, patrístico e litúrgico, num aprofundamento da teologia das realidades terrestres, da doutrina sobre a liberdade religiosa e das aspirações do movimento ecuménico”, – todos que, naturalmente, teriam significativa projecção sobre os Cursilhos (nascidos anos atrás).

Ora é neste confluente horizonte – genuína mas sincreticamente marcado por métodos, técnicas e modelos de auto-análise evangélica, espiritual e existencial reconhecíveis nos Exercícios Espirituais dos Jesuítas, no método de Cardijn e em vivências próximas do Opus Dei –, que também se enquadravam as principais, mais destacadas e exigentes leituras e livros dos Cursistas, onde, em primeiro lugar entre os recomendados, estava o emblemático e pessoal Guia do Peregrino (publicado pelo Secretariado Nacional e sempre usado durante e após os Cursos), espécie de manual litúrgico e de horas, oferecimento de obras, exame de consciência, cânticos e orações.


– Mas depois, entre o discurso quase poético do duplo Cristo Partido de Ramón Cué, S.J. (Porto, Editorial Perpétuo Socorro) e a minuciosamente esquematizada axiologia dos Valores Humanos (4 Volumes) de A. Ortega Gaisán (Braga, Editorial Franciscana), em estante de destaque lá vinha o Caminho de Josemaría Escrivá de Balaguer, editado pela Aster (ligada à Prumo) e cujo excepcional catálogo, nas colecções Éfeso e Signo, em traduções notáveis, incluía, entre outros, autores como Romano Guardini, Paul Claudel, Daniel-Rops, Jacques Leclerq, Michael Schmaus, Antoine Sertillanges, Journet, Pieper, Charles de Foucauld, Garrigou-Lagrange, e Jesus Urteaga (cuja obra O Valor Divino do Humano, é ainda um texto de esperança e confiança na audácia intelectual, metafísica e ética da Fé)!

– Sendo estas as mais conhecidas leituras e reflexões da Cristandade dos Cursos (e não só!), oxalá as assumissem e vivessem todos hoje, tal como, naqueles (afinal sempre recorrentes) tempos cruciais, escrevia Michel Quoist, na mesma demanda permanente da reconversão e do diálogo intemporal “do homem com o seu Deus”…
___________
Em Azores Digital:
RTP-Açores:
“Diário dos Açores” (28.04.2013) e “Diário Insular” (27.04.2013).

quarta-feira, abril 24, 2013


Igreja e Política nos Açores
durante o Século XX



Diário Insular (DI) – Tem salientado o papel da Igreja na transformação da sociedade açoriana do Século XX. Como perspectiva essa relação?

Eduardo Ferraz da Rosa (EFR) – O período referido – precisamente entre o final da década de 40 e a primeira metade dos anos 70 (até ao 25 de Abril) – constituiu de facto um ciclo histórico-político, psicossocial, cultural, intelectual e espiritual absolutamente único e decisivo na evolução da nossa sociedade, tendo sido por isso determinante para a construção possível da unidade do Arquipélago e a génese de uma nova consciência regional açoriana.

– Digo “nova consciência”, apesar de diferentes configurações axiológicas e societárias se terem verificado em outros períodos e contextos históricos; porém, nunca como ali se verifica tão profundamente a tematização e consciencialização dos Açores como comunidade dotada de personalidade colectiva e de unidade destinal, para usar a exemplar formulação filosófica de José Enes.

DI – Onde e como nasceram essas dinâmicas?

EFR – Os centros comuns de geração e de encontro desse progressivo e compósito processo reflexivo e programático regional – onde confluem (em campos, dimensões e carismas diferentes) várias instituições e movimentos (Seminário de Angra, IAC, Semanas de Estudo, Cursos de Cristandade, Acção Católica, LIC, JEC e JOC…) –, encontram-se justamente nos círculos de influência e nos quadros teórico-práticos da Igreja, da Doutrina Social e do Humanismo próprios do Cristianismo.

– Tudo o resto, no Pensamento e na Acção locais (inclusive nas esferas da Política, do Associativismo, da Educação e da Comunicação Social), tanto em termos de projecto de sociedade como de vida pessoal, assentou, directa ou indirectamente, nessa matriz, com a subsequente redescoberta, reconfiguração e correlativo entendimento dos sinais das “realidades terrestres” e da “ordem universal”, que o Vaticano II, a par da nova ordem mundial nascente, trouxeram até nós…

DI – Nesse contexto, como situa o 25 de Abril de 74?

EFR – … Depois, mas já numa fase de certo declínio, desencanto ou esgotamento daqueles ideais (em parte devido à situação política global e à fracassada “primavera marcelista”), foi só e apenas com algumas daquelas linhas e categorias (conseguidas umas, frustradas outras…) que chegámos ao 25 de Abril! Porém, tudo isso, que fora incarnado em pessoas e projectos concretos, sofre lamentáveis e regressivos adiamentos, bloqueios, desperdícios mentais, estruturais e institucionais, com intolerâncias, repressões e saneamentos que provocaram desmotivação, conformismo, cedências ou revolta, apesar das aspirações e conquistas autonómicas…

Ora com a libertação revolucionária (e outras arrumações ideológicas, crispações, subalternizações e enquistamentos partidários de muita gente, saberes e valores…), abriu-se também a porta a oportunismos, impasses, rupturas e insustentabilidades, com a agravante terminal de, contemporaneamente, ser até difícil a crença (esperança ou utopia…) numa Pátria mais justa, livre, desenvolvida e com sentido do futuro!

– É certo que a culpa formal e sistémica das nossas múltiplas falências não estará essencialmente na Democracia e na Autonomia! Todavia, os vigentes modelos, paradigmas e regimes societários, éticos e culturais, a perpetuarem-se, não garantirão nem a viabilidade material nem a legitimidade moral da sua (e nossa) sobrevivência, em moldes livres e dignos, por muito mais tempo…
________________

(*) Entrevista concedida ao jornal “Diário Insular” (25 de Abril de 2013).
Idem em “Diário dos Açores” (Ponta Delgada, 25.04.2013);
RTP-Açores:

sábado, abril 20, 2013


50 Anos de Ultreias
nos Açores

Cumprindo-se este ano a passagem de meio século sobre a realização dos primeiros Cursos de Cristandade nos Açores, tal como assinalámos aqui na nossa Crónica anterior (“Reencontros com a História”), justo e devido é realçar esta efeméride, que aliás – e bem – vai ser comemorada, nos próximos dias 26 a 28 do corrente, na ilha Terceira, com a realização, no dia 27 de Abril, da VII Ultreia Nacional (subordinada ao tema “Fé: Experiência de um Amor Recebido e Comunicado”) do MCC (Movimento dos Cursilhos de Cristandade) de Portugal, de acordo com o Programa estabelecido para o efeito e que integra também diversos convívios, visitas e passeios turísticos, para além de uma Eucaristia na Sé de Angra e de outros encontros de reflexão, estudo e meditação.




– Idealizado e dinamizado por um grupo de leigos e responsáveis eclesiásticos católicos espanhóis muito ligados à Acção Católica, com destaque para Eduardo Bonnin Aguiló (1917-2008) e D. Juan Hervás y Benet (1905-1982), estes Cursilhos tiveram início na década de 40 do século passado, num contexto muito marcado pelo tradicionalismo católico, que procuraram ultrapassar através de novos processos evangélicos, pastorais e espirituais, de opções existenciais, valores e métodos de auto-análise de vida e da sociedade circundante, segundo métodos e modelos que fundiam diversas linhas de meditação, oração, reconversão, acção e compromisso eclesial e comunitário, alguns deles sincreticamente, mas de modo inovador, marcados ou reconhecíveis também nos Exercícios Espirituais inacianos, no método de Cardijn e em certas vivências próximas dos carismas e práticas do Opus Dei (de cujo fundador, Josemaria Escrivá de Balaguer, Juan Hervás, aliás, foi bastante próximo…).



Nos Açores, tal como no País em geral, mas também um pouco por todo o Mundo, os Cursos de Cristandade – num quadro especial e específico de renovação do Catolicismo na acção e na espiritualidade laicais – desenvolveram, logo de início, um trabalho que proporcionou realmente uma dilatada partilha de vida e de experiências cruciais cristãs, naqueles anos marcados pelo Concílio Vaticano II e pelo aggiornamento proposto pelo Papa João XXIII, tendo os dois primeiros Cursos para Homens tido lugar em Angra do Heroísmo, e o 3.º Regional (Homens), 1.º em S. Miguel – documentado na Foto que ilustra este texto – ocorrido nas Furnas, em Dezembro do mesmo ano (1963).

– Todavia, o primeiro Curso de Cristandade que teve a presença de açorianos, a convite e por incentivo do Prelado Diocesano de então, foi o 14.º Curso Nacional, realizado no Porto, e que contou com a ida dos Cursistas pioneiros regionais Hernâni Mendonça e Cunha, António Braz e Dr. Henrique Braz, nele tendo também participado militantes empenhados e de grande projecção católica posterior no País, como o Arq. Nuno Teotónio Pereira.

No Curso referido, que teve como Director Espiritual o então Padre Januário dos Reis Torgal (actual Bispo das Forças Armadas), estiveram também presentes o Cónego José Garcia e o Dr. Cunha de Oliveira (que viria depois a ser uma das suas figuras cimeiras e dinamizadoras).

– Por seu lado, o Dr. António Rosa (da Clínica do Bom Jesus) foi, na mesma altura, um dos primeiros animadores dos mesmos Cursos em S. Miguel, juntamente com sua esposa, D. Maria Luísa Rosa (primeira reitora dos Cursos de Senhoras, com a terceirense D. Aurora Braz).

Assim sendo, talvez se possa mesmo dizer que, ao seu nível de objectivos próprios, a par das Semanas de Estudo, os Cursos de Cristandade nos Açores foram, no seu sucesso e impacto globais, desse modo e com as suas propostas de análise e estudo do sentido dos casos, concretizações privilegiadas de momentos ímpares de consciencialização privada e de elaboração do pensamento e da vida da nossa sociedade, umas e outros preponderante e identificadamente com declaradas (e até complementares...) referências doutrinárias, teoréticas, axiológicas e práticas herdeiras da tradição do Humanismo Personalista, da tensão profética do Cristianismo e da Doutrina Social da Igreja.

– Todas estas dinâmicas, com uma feição inter-ilhas, foram – esperançosa e felizmente naquela época… – geradoras consequentes de renovadas consciências sociais, societárias, intelectuais e espirituais, com uma liderante e notabilíssima componente local e regional que – apesar de divergências, concorrências e divisões nos penhascos... – ajudaram decisivamente a pensar e a preparar o nosso Arquipélago para a formulação de novas metas a todos os níveis, nos anos subsequentes e de um modo simultaneamente realista, generoso e utópico, talvez nunca mais igualado até hoje…

19.04.2013
______________________

Em RTP-Açores:
Azores Digital:
e Jornal “Diário dos Açores” (Ponta Delgada, 21.04.2013).
Outra versão em "Diário Insular" (20.04.2013).



ESTUDO REALIZADO NA TERCEIRA
ENTRE FEVEREIRO E NOVEMBRO DE 2012

Relatório arrasa implementação
de Cuidados Continuados


O relatório "Levantamento, Avaliação e Operacionalização da Rede de Cuidados Continuados Integrados. Situação Atual e Perspetivas Estratégicas da Política de Saúde nos Açores", disponibilizado ao DI pela secretaria regional da Saúde, traça um cenário negro no que diz respeito à área dos cuidados paliativos e ao estado atual da implementação da rede de cuidados continuados.

O estudo, assinado por Eduardo Ferraz da Rosa, debruçou-se sobre o caso terceirense. De acordo com o documento, após auscultadas diversas entidades, foi concluído existir "indefinição total na conceção, organização, planeamento e coordenação de Serviços de Cuidados Paliativos no HSEIT (Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira) e entre esta principal unidade de saúde e as restantes unidades, serviços, instituições e âmbitos sociais, familiares, domiciliários/domésticos e individuais dos utentes necessitados desses cuidados e especializados acompanhamentos técnicos e humanos específicos".

A Lei de Bases dos Cuidados Paliativos, entende-os como "os cuidados ativos, coordenados e globais, prestados por unidades e equipas específicas, em internamento ou no domicílio, a doentes em situação de sofrimento decorrente de doença incurável ou grave, em fase avançada e progressiva, assim como às suas famílias".

Já os cuidados continuados são os cuidados de convalescença, recuperação e reintegração de doentes crónicos e pessoas em situação de dependência.

O relatório foi produzido entre fevereiro e novembro do ano passado. Foram auscultadas "todas as instituições, agentes e atores direta ou indiretamente ligados às áreas da prestação de Cuidados de Saúde e Assistência Social na Ilha Terceira (Hospitais, Centros de Saúde, Residências e Lares, e outros Serviços Públicos e Privados)".

Quanto a recomendações, o documento, no domínio dos cuidados paliativos, defende uma mais "competente definição na conceção, organização, planeamento e coordenação de serviços de cuidados paliativos no HSEIT", isto "procurando também aqui promover uma crescente humanização na prestação destes cuidados e um mais sistemático, efetivo e generoso apoio às famílias envolvidas e/ou a envolver responsavelmente em todo tão exigente processo". 

Este relatório indica ser necessário cumprir as linhas definidas nos programas do X e XI Governos Regionais no campo da política de Saúde, nomeadamente no que diz respeito à "real implementação da Rede de Cuidados Integrados da Região Autónoma dos Açores".


No domínio dos cuidados continuados integrados, é recomendada a realização de mais estudos, que se debrucem sobre a realidade das nove ilhas.

O autor do relatório encontrou repetidas falhas graves no seio do Hospital de Santo Espírito. 

Entre estas falhas estão a "ausência recorrente de elaboração competente e relevante de carta de alta", a "inoperância no sentido da programação dos seus serviços e procedimentos internos, nomeadamente no que concerne à padronização processual, documental e informática da informação e da história clínica pregressas dos seus utentes", ou "falhas na circulação devolutiva da informação clínica atualizada dos utentes atendidos e tratados na urgência" entre esta unidade de saúde e as restantes instituições de saúde, assistência social e de prestação de cuidados. 

Havia também à data de produção do relatório indefinição coordenadora entre os Centros de Saúde de Angra e da Praia no âmbito das atribuições da Unidade de Saúde da Ilha Terceira e era "praticamente nula" a cobertura no campo da assistência domiciliária. 

Foram identificadas deficiências na assiduidade, pontualidade e práticas deontológicas de profissionais de saúde a prestar cuidados nas freguesias. 

É feita ainda a "constatação de demoras, adiamentos injustificados e falta de coordenação e gestão dos calendários, agendas e tempos de consultas médicas e lista de espera nos Centros de Saúde e nos Postos de Saúde das Freguesias- situação agudizada pela falta de um sistema integrado de marcação de consultas".

Há ainda, em termos globais, falta de campanhas de formação e informação dirigidas aos prestadores de cuidado, e escassa articulação entre as políticas de saúde e social e as políticas de habitação, urbanismo e equipamentos "conforme decorre explícita e implicitamente dos relatórios efetuados pelos serviços de bombeiros, transporte de doentes e proteção civil".

É assinalado um fraco envolvimento por parte de alguns agentes locais (Câmaras e Juntas de Freguesia) em projetos, processos e procedimentos nos campos da Saúde e da Assistência Social. Por outro lado, existe um acesso difícil dos membros das autarquias locais às instâncias decisórias da administração regional.

Este documento identifica "restrições, congestionamentos e protelamentos de vários procedimentos médico-legais, administrativos e tributários nas delegações de saúde, nomeadamente no que concerne às solicitações de associações de utentes das áreas da Saúde Mental, das Deficiências e das Dependências".

Rever a lei

O relatório recomenda a correção de todos estes aspetos. É apontada como necessária a revisão do decreto legislativo regional nº13 /2008, que lançou as bases para a criação de uma rede de Cuidados Continuados Integrados na Região (CCIRAA), de modo a adaptar esta rede às "características, meios humanos, técnicos, materiais e logísticos" do Serviço Regional de Saúde. 

Também como medida central surge "reconsiderar a constituição, as atribuições, a agenda e o funcionamento e os objetivos prioritários da Coordenação Regional da Rede CCIRAA", fazendo o mesmo face à coordenação por ilha.

É recomendada a responsabilização dos hospitais pela elaboração competente de cartas de alta e pela existência e disponibilização de informação sólida sobre os utentes. 

Será ainda, entre outros aspetos, importante uma célere implementação da cobertura de assistência domiciliária.

Uma recomendação final vai para "fazer cumprir a obrigatoriedade da existência, em cada unidade ou serviço de saúde, de um processo individual de cuidados continuados da pessoa em situação de dependência".

Todas as unidades, serviços e agentes que integram a rede CCIRAA deviam ainda, de acordo com este documento que está nas mãos da secretaria regional da Saúde, ser alvo de avaliações periódicas, independentes e objetivas, como instrumento de melhoramento de todo o sistema.
_____________

Em “Diário Insular”, Angra do Heroísmo, 20.04.2013.
Texto integral disponível aqui: http://we.tl/7HxjNO81Z2




sexta-feira, abril 12, 2013


REENCONTROS
com a História



No dia em que escrevo este texto – 11 de Abril – comemora-se o 50º. Aniversário da ocorrência, praticamente simultânea, de três acontecimentos cujos significados e alcances socio-históricos, culturais e espirituais se revestem de grande relevo e são, por isso, merecedores de uma evocação reflexiva entre nós, por muito sucinta que a mesma seja feita aqui e hoje apenas nestas páginas de jornal:

– Refiro-me à publicação da Carta-Encíclica Pacem in Terris (do Papa João XXIII, falecido dois meses depois);

              - à realização da II Semana de Estudos dos Açores,



- e ao início do Movimento dos Cursos de Cristandade nos Açores, factos sequenciais, estreitamente interligados e quase temporalmente coincidentes (entre Abril e Setembro de 1963), conforme noutra ocasião já tive oportunidade de abordar desenvolvidamente e a cuja memória mais tarde voltarei.




Então, na dinâmica envolvência do Concílio Vaticano II;

- na evolutiva e progressiva tomada de consciência dos Açores como realidade regional una e em busca de um almejado Desenvolvimento integral (estrutural, económico, social, cultural, político, educativo e intelectual),

- e, enfim, naqueles tempos de efervescências mundiais e civilizacionais, e de novos desafios religiosos, ideológico-políticos, socio-institucionais e espirituais, tudo eram (e foram!) novos e pioneiros sinais dos tempos e busca de alternativos tempos novos, numa dimensão talvez nem sempre agora (imerecidamente) conhecida e avaliável, quando não até conveniente e tacitamente esquecida…

– E todavia, desde esse (ainda nosso) meio século passado até à nossa contemporaneidade (que é também parte dele ainda…) – apesar da contínua mudança dos tempos, das vontades, das gerações, das realidades da Cidade e das configurações mentais, discursivas e axiológicas dos Homens e Mulheres dos Açores, do País e do Mundo –, muitos são os problemas, carências, atrasos, desânimos e falhanços de que identicamente padecemos (e somos!) nos dias que correm, parecendo antes, ou sempre ciclicamente, amiúde condenados aos mesmos, opressores e injustos valores e padrões de vida, como se nada tivéssemos aprendido com a História, ou falhado, sem Esperança nem Coragem, o encontro com ela e connosco mesmos!

11 de Abril de 2013
 ___________________

Publicado em RTP-Açores:
Azores Digital:
“Diário Insular” (Angra do Heroísmo, 13.04.2013),
e “Diário dos Açores” (14.04.2013).




quarta-feira, abril 10, 2013


Cuidados Continuados Integrados
e Política de Saúde nos Açores



“Diário Insular” (DI) – É sabido que coordenou e executou, para o Governo Regional, um Projecto de Investigação sobre a Rede de Cuidados Integrados (RCCI) na Região. Confirma a elaboração desse Projecto e do respectivo Relatório?

Eduardo Ferraz da Rosa (EFR) – Sim, confirmo a realização desse Estudo (que envolveu praticamente, na primeira parte concretizada, todas as entidades e instituições públicas e particulares directa e/ou indirectamente ligadas à Saúde e à Assistência Social na ilha Terceira, para além de responsáveis institucionais e agentes, actores socioprofissionais, técnicos e especialistas nessas áreas, e ainda responsáveis pelas Autarquias e outros Parceiros Sociais).

Esse exaustivo (e empenhativo!) trabalho decorreu durante o ano de 2012, a pedido diligente e esforçado do então secretário da Saúde [Miguel Correia], tendo as respectivas Conclusões e Propostas sido entregues, já ao novel detentor do lugar [Luís Cabral], em Dezembro último…

– Porém, esse mesmo Relatório, por minha iniciativa, foi também entregue ao Presidente [Vasco Cordeiro] e ao Vice-Presidente [Sérgio Ávila] do Governo dos Açores!




DI – Quais os âmbitos, conteúdos, Conclusões e Propostas desse Estudo?

­EFR – O objecto do Estudo foi o levantamento e avaliação da Rede de Cuidados Continuados Integrados na Região Autónoma dos Açores, tendo-se procedido à caracterização actual e às perspectivas de operacionalização subsequente e possível.

– O projecto, como referi, tomou a Terceira como primeira amostra científica ou modelo sociológico para investigação ou estudo de caso e de campo.

As Conclusões e Propostas, que foram deontológica e naturalmente entregues a título reservado, como documento interno para reflexão e tradução prática (espero eu…) –, não sendo propriamente confidenciais, decorrem todavia de delineamentos programáticos assentes, dos depoimentos e testemunhos pessoais e/ou dos memorandos sectoriais facultados pelos múltiplos participantes e colaboradores ouvidos, sendo porém que muitas das estruturas e bloqueios analisados são do domínio e do conhecimento públicos, embora eventualmente de modo menos tematizado, formal e sistemático…




 – Contudo e assim, esses são problemas, situações e factos bem perceptíveis (alguns até já denunciados!) pela sociedade, utentes, doentes, famílias, instituições, OCS e por todo e qualquer profissional dedicado, analista sério, observador atento, estudioso isento e rigoroso, ou político competente, bem formado e responsável!

DI – Como explica a não operacionalização cabal da Rede de CCI nos Açores?

EFR – Essa constatação é verdadeira, sendo todavia que o problema é complexo, tal como a nível nacional e até internacional, porquanto envolve uma diversidade de causas, constrangimentos, inoperâncias, faltas de planeamento, gestão integrada de recursos materiais, técnicos, humanos e logísticos, para além de inadmissíveis lacunas e preguiças conceptuais, protelamentos de decisão e vontade institucional, tudo amiúde aliado a ausências de definição de prioridades e ao esquecimento de valores essenciais para a implementação efectiva e comunitariamente partilhada de uma Política de Saúde e Assistência sustentável e humanizada …




DI – Um seu conhecido trabalho académico anterior [Investigação para um Projecto de Doutoramento no ICBAS/Universidade do Porto], na área das Ciências Biomédicas, tornou-o mais sensível a esta problemática?

EFR – Sim, mais empírica e cientificamente habilitado, e mais ética e filosoficamente crítico…

– E também mais exigente, mais refractário a sofismas partidários e ainda mais fiel aos valores de uma política alternativa, humanista e socialmente justa!
________

(*) Texto revisto da Entrevista publicada nos jornais “Diário Insular” (Angra do Heroísmo, 10.04.2013) e “Diário dos Açores” (Ponta Delgada, 11.04.2013).
_________________

Publicado em “Diário Insular” (Angra do Heroísmo, 10.04.2013);
Jornal “Diário dos Açores” (Ponta Delgada, 11.04.2013);
RTP-Açores:

e Azores Digital:




sábado, abril 06, 2013


Os Lugares Naturais



Pese embora a expressão que dá título a esta Crónica ser – talvez por arreigado hábito disciplinar – realmente inspirada no complexo e plurifacetado discurso aristotélico, a verdade é que aqui vamos hoje tomá-la como uma espécie de mote ou motivo para a problematização – conquanto intencional e parcialmente análoga… – de outros lugares (e também de alguns não-lugares), conceitos tanto filosoficamente apelativos quanto sociologicamente pertinentes (como, entre outros, Marc Augé os abordou nos quadros não só cingidamente físicos mas também simbólicos, comunicacionais, socio-institucionais e éticos das formas da existência moderna, especialmente da vida urbana ou cosmopolita, ou nas chamadas Modernidade e Pós-Modernidade.

Todavia, na linguagem popular, ou mais prosaica, das falas do quotidiano, a tematização da profunda diferença entre lugar e não-lugar aparece-nos também intuída em enunciações e provérbios, seja – por exemplo – para estabelecer relações críticas entre saber real e lugar convencional; lugares comprados e posições do carácter vendido; mediocridades de habilitação, talento ou competência; serventia e subidas de posto ou na chefia ou mando das respectivas tribos; neutralidade ética e futilidades discursivas; anonimato massificado e solidão espiritual, etc., por aí fora, como se vê e é impossível a tanto e tais desaforos ou patologias não reagir!

– E não se reflicta só no que se passa por essa nação que fez de um ressabiado símile nominal do sábio ateniense um PM (com quase todo um partido rendido, ou nele re-enroscado em peso ou vacuidade!) e que o leva agora (sob aplausos de envergonhar!) à pantalha dos embustes como redentor e redimido sofista em causa e interesse exclusivamente próprios (dos quais o PS, a prazo seguro aliás, e dessa táctica desforra extemporânea, será a primeira vítima entontecida e penalizada…);

       - ou naquele PSD (o do saudoso Sá Carneiro!?) que, adiado, arrasta um tosco Coelho governamentado pelas orelhas, com um paradigmático Relvas já em descabelada cauda, porém também ele (para não atirar pedras aos ecrãs do vizinho!) com idêntica trupe circense de falaciosos comentadores mediatizados…;

       - ou, enfim, num híbrido CDS-PP (a desbaratar os trunfos que a outros tanto custou a credibilizar) …

– Não! No que estou também a pensar é nos não-lugares (ou não desempenhos competentes…) que putativos candidatos e falhados executivos ocupam já hoje nas nossas periclitantes empresazinhas e servicinhos autonómicos (quais espécimes criados segundo um perfeito Princípio de Peter!); e assim por diante…

O resto, tudo o resto, faz parte natural e efectivamente remanescente dos tais (não) lugares – quais espaços análogos aos denunciados naquelas alegóricas cavernas que a verdadeira Filosofia Política e a sua coerente e decorrente Prática para o Bem Comum (e não apenas as retóricas e narrativas tácticas da tal dita “Teoria” ou “Ciência Política” que um conhecido propagandista trouxe em parisiense porta-bagagens…) sempre sinalizaram às mais legítimas e nobres precauções democráticas historicamente alternativas … –, para onde o Povo, qualquer dia, há-de remeter à força tantos dos nossos carreiristas políticos agrilhoados às suas alienantes análises, néscias dívidas, malfeitorias e aberrantes e viciosas heranças, tão injusta e impunemente deixadas à dignidade da vida, à honra e à soberania perdidas desta e das futuras gerações do pobre País que tais empalhados caudilhos, políticos e comentadores alberga e sustenta!

05.04.2013
________________
Publicado em RTP-Açores:
e Jornal "Diário dos Açores" (Ponta Delgada, 07.04.2013).
Outra versão: Jornal "Diário Insular" (Angra do Heroísmo, 06.04.2013).