sexta-feira, novembro 13, 2015


Os brilhos da Glacial
____________________________________________________________


Na Imprensa regional portuguesa e no Suplementarismo açoriano – a par, em modos diferenciados, da Pensamento, da Artes e Letras do “DI” e da Gávea, sem levarmos em conta os nossos Institutos, naturalmente –, talvez não tenha havido projecto editorial, literário e artístico (e de cidadania intelectualmente empenhada e socialmente comprometida) tão arrojado e marcante como o desenvolvido ao longo de anos (15.07.1967 – 23.06.1973, e depois, noutra forma, em 74) pela GlacialPágina de Literatura e Pensamento, originariamente das Letras e das Artes de “A União” (na altura liderada por Cunha de Oliveira, director, e Artur Goulart, chefe-de-redacção).



Ora perfeitamente integrada no espírito informativo e formativo daquele jornal – nessa distante (em parte saudosa...) época do passado século terceirense, e ali concebida e produzida de modo aberto, conscienciosamente livre e autónomo – foi a Glacial coordenada e dirigida pelo poeta e escritor Carlos Faria, um infatigável viajante, apaixonado das ilhas, continental nascido na Golegã, porém açoriano de inteligentes afectos e universais poéticas a quem os Açores e todos nós tanto devemos (mais, aliás, do que a tantos dos que abusivamente de tal estatuto se reclamam!).



– Mas vem isto a propósito da notável, merecida e justa difusão que tem vindo a ser feita da obra e da vida de Carlos Faria em vários Sítios da Net, especialmente através e no seguimento das previdentes e meritórias digitalizações documentais da Biblioteca Pública de Angra (sob orientação de Marcolino Candeias), e bem assim através dos esmerados empenhos de divulgação graciosamente desenvolvidos, entre outros, por Costa Brites e Carlos Nuno Faria (na página dedicada a seu pai, Carlos Faria, no Facebook).

Mas depois, ainda neste sentido e neste âmbito, merece certamente um registo especial toda a bela e relevante documentação (textos e imagens) que tem sido disponibilizada e está acessível para consulta nos próprios Blogues pessoais de Costa Brites:


– O primeiro deles (em https://karlosfaria.wordpress.com/) guardando escritos de Urbano Bettencourt, Artur Goulart, Onésimo Teotónio de Almeida e Eduardo Bettencourt Pinto, para além de um magnífico repertório sobre a Glacial, sua história, percursos e colaborações, incluindo um precioso arquivo praticamente integral das suas edições fac-similadas em “A União”, para além de uma relação e antologia do movimento da Gávea/Glacial, da entrevista/manifesto Rogério Silva/Gávea (1971), da transcrição (no jornal “Açores” de 23.01.1970) de um memorável depoimento de Carlos Faria ao programa “Vertical” da emissora “Asas do Atlântico, de uma reconhecida nota e link para o trabalho académico de Lusa Ponte, e – enfim – de uma narrativa pessoal de Costa Brites sobre Carlos Faria, as suas ligações, encontros, influências (Arrabal, Lorca...), círculos de amigos, companheiros ou camaradas de letras e artes (entre outros, Rogério Silva,  Dias de Melo, Ernesto do Canto da Maia, Armando Côrtes-Rodrigues, Tomaz Borba Vieira, Santos Barros e Ivone Chinita).

Por seu lado o segundo Blogue/Página (em (https://costabrites.wordpress.com/) – incidindo variada mas primordialmente sobre as criações e obras artísticas de Costa Brites (com destaque para as figurações espaciais, desenhos e pinturas de Coimbra), os seus laços familiares, viagens, presenças e produções teórico-críticas, etc. –, deixa igualmente bem manifestas todas as suas proximidades ou aproximações aos Açores, nomeadamente por via de Carlos Faria e de Rogério Silva.


– Todavia, sobre a Glacial e o seu ímpar e integrado significado como factor de afirmação histórico-cultural, artística e sociopolítica “do campo literário açoriano”, a partir da aplicação de categorias críticas de Pierre Bourdieu, não posso deixar de tornar a recordar e mais novamente recomendar aqui, para concluir esta sucinta lembrança de tantos nomes, ideais e realidades que nos foram e são próximos, convivenciais e inspiradores, a tantas vezes (indevida e injustamente) esquecida Tese de Doutoramento apresentada na Sorbonne (2010) por Lusa de Melo Ponte (veja-se o respectivo texto integral, disponível aqui:  http://www.e-sorbonne.fr/sites/www.e-sorbonne.fr/files/theses/De-Melo-Ponte_Lusa-Maria_2010_these.pdf), – admirável investigação, recolha sistemática e tratamento sério de quanto paradigmaticamente confluiu nos projectos e nos legados da nossa Glacial, e do quanto desde ali permanece vivo e vigente, na presença ou na ausência do seu brilho, sobre a gélida indiferença deste obscuro tempo actual...
__________________

Em "Diário dos Açores" (Ponta Delgada, 21.11.2015):




























Primeira versão em "Diário Insular" 
(Angra do Heroísmo, 14 de Novembro, 2015):